source
Hopi Hari ao entardecer arrow-options
Bruno Nogueira/Hopi Hari

Durante o mês de outubro, o Hopi Hari será uma atração gratuita para todas as crianças com até 12 anos de idade

Em um ano de mudanças administrativas profundas, o parque temático Hopi Hari , em Vinhedo (SP), apresentou aditivo ao plano de recuperação judicial que tramita na 1ª Vara do município paulista. A ação foi entregue num momento de entusiasmo por parte da atual gestão do empreendimento, cuja frequência anual passou de 550 mil visitantes, em 2018, para estimados 900 mil este ano.

Com crescimento esperado entre 10% e 15%, marca já atingida em 2019, a ideia é planejar o desenvolvimento sustentável da companhia ao longo dos próximos 20 anos. “O documento remetido à Justiça inclui nosso compromisso de investir recursos próprios, para o crescimento do negócio e da região, já a partir do sétimo ano”, explica o presidente do parque, Alexandre Rodrigues, demonstrando confiança nos números. Entre os investimentos pretendidos estão a reativação de antigos sucessos de público e a modernização da montanha-russa de madeira Montezum, referência no país. “Estamos vendo que é factível. Apenas no que diz respeito a eventos, quase já não há mais datas disponíveis para 2020”.

O otimismo se dá pela sequência constante de grandes eventos realizados no centro de entretenimento em Vinhedo. No último final de semana da Hora do Horror , por exemplo, 40 mil pessoas se despediram dos monstros à solta em apenas cinco dias de funcionamento – mais de 300 mil participaram do evento.

No mês de novembro, em que são comemorados 20 anos de parque, entram em cena uma série de eventos. No dia 9, ocorre o Rock’n Hari, com shows que vão de Supla a Ultraje a Rigor. Nos dias 7, 8 e 10, vem a Giranda La Fiesta, com a Festa dos Mortos de tradição mexicana. Já no dia 14, começa a temporada do Natal Mágiko, que vai até 12 de janeiro de 2020. O parque sedia também a 4ª edição do Hopi Pride, maior festival LGBTQ+ do Brasil, que começa no dia 23 e termina no dia 24. O mês festivo encerra com um festival de música eletrônica comandado pelo DJ Alok e mais de 20 atrações, no dia 30.

O aditivo apresentado à Justiça inclui todos os credores da empresa, incluindo o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), detentor da maior parte do crédito em questão, que totaliza R$ 300 milhões. O dispositivo legal, na prática, substitui o plano de autoria da antiga presidência do parque, que acabou contestado pela 2ª Câmara de Direito Empresarial em dezembro do ano passado. O protocolo faz parte do processo de recuperação pedido em agosto de 2016, que permitiu sua reabertura, em 2017. Uma vez aprovado, o documento passa por avaliação da assembleia geral dos credores, prevista para o primeiro semestre de 2020.

De acordo com a administração do Hopi Hari, a expectativa é que o novo ano tenha um início ainda melhor. De olho em 2020, o tema do Hopinight, tradicional balada que acontece em março e vai até junho, foi revelado no último dia da Hora do Horror. O espetáculo trará shows e intervenções no empreendimento e se consolidou como atrativo do segundo melhor público anual, atrás apenas da Hora do Horror. “É um novo momento para o Hopi Hari, que tem tudo para continuar se renovando e ocupando um espaço cativo na mente de nosso público”, finaliza Rodrigues.

O parque funciona todas as semanas, de quinta-feira a domingo, a partir das 11h.

Fonte: IG Turismo
Imprimir