Combinação de álcool e medicamentos pode ser fatal

Com a chegada do Carnaval, o Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais alerta sobre os riscos do uso de bebidas alcoólicas associadas aos medicamentos.

Com a chegada do Carnaval, o Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais alerta sobre os riscos do uso de bebidas alcoólicas associadas aos medicamentos.

No Carnaval, o consumo de bebidas alcoólicas aumenta consideravelmente, tornando-se muitas vezes abusivo. Um dos principais problemas relacionados a este consumo é a associação indiscriminada de álcool e medicamentos.
Muitas vezes, as pessoas não percebem uma relação direta entre os efeitos conjuntos da bebida e do medicamento. Mas, tanto o álcool quanto as substâncias que compõem os fármacos precisam ser absorvidas, distribuídas, metabolizadas e excretadas no organismo. Quando administrados simultaneamente, esses processos podem ficar prejudicados. Como o álcool influencia diretamente na absorção de substâncias no estômago, na metabolização do fígado e na excreção pelos rins, o uso de bebidas pode intensificar de maneira perigosa ou diminuir drasticamente a ação do medicamento. O mesmo acontece com os fitoterápicos, que são substâncias de origem natural, porém, comportam-se como medicamentos quando ingeridos.
O tipo de bebida e as características individuais dos medicamentos influenciam diretamente na forma e intensidade das reações. Os efeitos no organismo podem variar de intensidade dependendo do indivíduo e da quantidade ingerida, do horário e do tempo de utilização do medicamento. Pessoas idosas, mulheres e asiáticos podem apresentar características metabólicas um pouco diferenciadas, o que pode potencializar os efeitos do álcool no organismo.
As reações adversas variam desde alterações gastrointestinais, como náuseas e vômitos, ou reações mais intensas como dores de cabeça, palpitações, hipotensão, tontura, taquicardia, convulsões, intoxicação aguda, coma e até a morte.
Em alguns casos, mesmo que a pessoa consuma bebida alcoólica em horário distinto da medicação, existe o risco da ocorrência de reações adversas graves. O mais importante é que o usuário, ao comprar o medicamento, procure a orientação de um farmacêutico para se esclarecer sobre a forma correta e segura de administrá-lo. Na dúvida, é sempre recomendado não beber.
Reações que podem ser provocadas pela associação indevida de álcool e medicamentos:
Álcool + dipirona = potencializa o efeito do álcool
Álcool + paracetamol = intoxicação no fígado
Álcool + antibióticos = aumento do metabolismo e não eficácia do medicamento
Álcool + metronidazol = vômitos, dores de cabeça, hipotensão e intoxicação
Álcool + sibutramina ou anfetaminas = tonturas, confusão mental e intoxicação
Álcool + AAS = aumenta o risco de sangramento do estômago e intestino
Álcool + cetoconazol = vômitos, dores de cabeça, hipotensão e intoxicação
Álcool + calmantes (Ansiolíticos/Benzodiazepínicos)= depressão do sistema nervoso central, parada respiratória e coma
Álcool + antidiabéticos (insulina e Metformina) = hipotensão aguda e dano no fígado
Álcool + anti-hipertensivos (captopril) = arritimia cardíaca e desmaios
Álcool + antidepressivos (fluoxetina) = diminuição do metabolismo e potencialização do efeito.

Imprimir
Comentários

Sobre o Autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Combinação de álcool e medicamentos pode ser fatal

Com a chegada do Carnaval, o Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais alerta sobre os riscos do uso de bebidas alcoólicas associadas aos medicamentos.

Com a chegada do Carnaval, o Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais alerta sobre os riscos do uso de bebidas alcoólicas associadas aos medicamentos.

 

No Carnaval, o consumo de bebidas alcoólicas aumenta consideravelmente, tornando-se muitas vezes abusivo. Um dos principais problemas relacionados a este consumo é a associação indiscriminada de álcool e medicamentos.

Muitas vezes, as pessoas não percebem uma relação direta entre os efeitos conjuntos da bebida e do medicamento. Mas, tanto o álcool quanto as substâncias que compõem os fármacos precisam ser absorvidas, distribuídas, metabolizadas e excretadas no organismo. Quando administrados simultaneamente, esses processos podem ficar prejudicados. Como o álcool influencia diretamente na absorção de substâncias no estômago, na metabolização do fígado e na excreção pelos rins, o uso de bebidas pode intensificar de maneira perigosa ou diminuir drasticamente a ação do medicamento. O mesmo acontece com os fitoterápicos, que são substâncias de origem natural, porém, comportam-se como medicamentos quando ingeridos.

O tipo de bebida e as características individuais dos medicamentos influenciam diretamente na forma e intensidade das reações. Os efeitos no organismo podem variar de intensidade dependendo do indivíduo e da quantidade ingerida, do horário e do tempo de utilização do medicamento. Pessoas idosas, mulheres e asiáticos podem apresentar características metabólicas um pouco diferenciadas, o que pode potencializar os efeitos do álcool no organismo.

As reações adversas variam desde alterações gastrointestinais, como náuseas e vômitos, ou reações mais intensas como dores de cabeça, palpitações, hipotensão, tontura, taquicardia, convulsões, intoxicação aguda, coma e até a morte.

Em alguns casos, mesmo que a pessoa consuma bebida alcoólica em horário distinto da medicação, existe o risco da ocorrência de reações adversas graves. O mais importante é que o usuário, ao comprar o medicamento, procure a orientação de um farmacêutico para se esclarecer sobre a forma correta e segura de administrá-lo. Na dúvida, é sempre recomendado não beber.

Reações que podem ser provocadas pela associação indevida de álcool e medicamentos:

Álcool + dipirona = potencializa o efeito do álcool

Álcool + paracetamol = intoxicação no fígado

Álcool + antibióticos = aumento do metabolismo e não eficácia do medicamento

Álcool + metronidazol = vômitos, dores de cabeça, hipotensão e intoxicação

Álcool + sibutramina ou anfetaminas = tonturas, confusão mental e intoxicação

Álcool + AAS = aumenta o risco de sangramento do estômago e intestino

Álcool + cetoconazol = vômitos, dores de cabeça, hipotensão e intoxicação

Álcool + calmantes (Ansiolíticos/Benzodiazepínicos)= depressão do sistema nervoso central, parada respiratória e coma

Álcool + antidiabéticos (insulina e Metformina) = hipotensão aguda e dano no fígado

Álcool + anti-hipertensivos (captopril) = arritimia cardíaca e desmaios

Álcool + antidepressivos (fluoxetina) = diminuição do metabolismo e potencialização do efeito.

Redação do Jornal Nova Imprensa Super Notícia

Comentários

Sobre o Autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!