O Cruzeiro inicia nesta sexta-feira (20), diante do Figueirense, às 21h30, no Mineirão, a busca por pelo menos 13 vitórias nas 17 partidas que lhe restam na Série B do Campeonato Brasileiro para tentar a volta  à elite.

A melhor maneira de se calcular a marca do acesso, com a competição em disputa, é a projeção do aproveitamento do quarto colocado para as 38 rodadas. E os 58,73% do Cuiabá significam 67 pontos.

Quando se acrescenta na conta o histórico das edições anteriores da Série B, fica evidente que este número deve cair um pouco, ficando entre 62 e 64.

Com 24 pontos, o Cruzeiro precisa de 39 ou 40 nos 51 que ainda vai disputar, aproveitamento de pelo menos 76%. Isso significa alcançar 13 vitórias nas 17 partidas que restam ao time de Luiz Felipe Scolari.

Claro que os números sofrem alterações, pois o cálculo depende principalmente da campanha do quarto colocado.

Os 67 pontos atuais, projetando a campanha do Cuiabá, significariam a segunda marca mais alta desde 2006, quando a Série B passou a ser disputada por 20 clubes e no sistema de pontos corridos.

Em 2012, numa edição fora da curva, foram necessários 72 pontos para se ter uma vaga na Série A do Brasileirão de 2013.

Nas outras 13 edições, entre 2006 e 2019, a maior marca foi 64 pontos, em 2015. Ano passado, com 62 o Atlético-GO conseguiu assegurar a quarta posição.

O desafio é tão grande, que o acesso ganha cara de título para o Cruzeiro.

Matéria do Hoje em Dia

Imprimir
Comentários