O novo Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) abre as inscrições no dia 15 de junho e termina em 17 de julho. Várias mudanças foram feitas para fazer o papel de vestibular unificado para as universidades federais. No dia 31 de março, o ministro da Educação, Fernando Haddad, anunciou uma nova proposta para o Enem, que substituirá o vestibular de 55 universidades federais. Até 2008, o exame contava com 63 questões de múltipla escolha e uma redação. O novo exame será composto por perguntas objetivas em quatro áreas do conhecimento: linguagens, códigos e suas tecnologias (incluindo redação); ciências humanas e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias e matemáticas e suas tecnologias. Cada grupo de testes será composto por 45 itens de múltipla escolha, totalizando 180 perguntas a serem aplicadas em dois dias.
Com as mudanças, o exame, que era realizado no mês de agosto, passa a ser em outubro já com data marcada para os dias 3 e 4. No sábado, primeiro dia de exame, as provas serão de ciências da natureza e humanas, com início às 13h e encerramento às 17h30. No domingo será a vez de avaliar o conhecimento dos estudantes em linguagens e códigos, matemática e redação. Nesse dia, as provas vão começar às 13h e terminar às 18h30.
A proposta do novo modelo é poder unificar os vestibulares das universidades federais, facilitando a vida dos vestibulandos que vão realizar as provas de diversas faculdades em uma só, evitando o deslocamento para outros estados. Até o dia 15 de maio, 38 das 55 universidades federais já teriam aderido ao Exame Nacional do Ensino Médio como processo de seleção. No entanto, somente 20 já confirmaram a participação no vestibular unificado.
Na semana passada, o Ministério da Educação (MEC) publicou o posicionamento das universidades em relação à adesão ao novo vestibular em seus processos seletivos. São quatro as possibilidades de se utilizar a nota do Enem: como fase única; como primeira fase; como fase única para as vagas remanescentes, após o vestibular; ou combinado ao atual vestibular da instituição.
Segundo a estudante Lorenah Leal, que pretende cursar psicologia ou direto, a nova forma do exame é muito pesada, por conter 180 questão. ?Mesmo sendo realizado em dois dias, o Enem vai ser puxado pelo número de questão?, ressalta. A aluna, que se formou no fim do ano passado, comenta que, como é o primeiro Enem unificado, várias pessoas podem estranhar com a nova maneira e talvez até diminuir o nível das notas, prejudicando quem irá usá-las para a universidades. ?Vários jovens treinaram o ano passado inteiro para o Enem e, com a alteração, muitos ficarão prejudicados. A mudança foi muito rápida?, diz.
De acordo com a estudante, um dos pontos que pode ser considerado benéfico para os vestibulandos é a economia dos deslocamento e a diminuição do desgaste psicológico. ?O vestibular unificado vai evitar o deslocamento para outras cidades, ou estados, diminuindo os gastos com passagens, com as taxas de inscrições e, com isto, como os vestibulares acontecem em uma mesma época, irá diminuir o desgaste físico e psíquico?.
Participantes
O novo Enem manterá a característica de ser um exame voluntário. Alunos concluintes do ensino médio e pessoas que terminaram este nível de ensino em anos anteriores, os chamados egressos, ainda podem realizar a prova. A novidade é que a prova vai valer também para certificação de conclusão do ensino médio, o que torna o Enem também uma oportunidade para cidadãos sem diploma nesse nível de ensino, desde que na data de realização da prova tenham 18 anos, no mínimo.
A média de desempenho obtida no Enem será muito importante para garantir uma vaga nas instituições de ensino superior que adotarem o exame como ferramenta de seleção, de maneira integral ou parcial. Além disso, o Enem continua a servir como referência para uma auto-avaliação sobre o ensino médio e qualidade do ensino, e sua nota continuará a ser critério de seleção de bolsas de estudo no Programa Universidade para Todos (ProUni). O Enem 2009 vai ainda promover a certificação de jovens e adultos no ensino médio e, a partir do ano que vem, vai medir o desempenho acadêmico dos estudantes ingressantes nas instituições de ensino superior.
ProUni
Terminou ontem (5) as inscrições da primeira etapa do ProUni para o segundo semestre deste ano. E do dia 20 a 24 de julho acontecerá a segunda etapa. As bolsas atenderão a estudantes que ingressarem na faculdade no segundo semestre deste ano. São 91.227 bolsas, 57.432 integrais e 33.795 parciais, com 50% da mensalidade.
Até na última quinta-feira (4) o Ministério da Educação (MEC) recebeu 150 mil inscrições de estudantes interessados em disputar uma das 91 mil bolsas que o Programa Universidade para Todos oferece neste semestre.
O programa irá pré-selecionar e divulgar os candidatos escolhidos em primeira e segunda chamadas até 15 de julho.
Para concorrer as bolsas integrais, os candidatos devem possuir uma renda familiar de até um salário mínimo e meio: R$ 697,50 por pessoa. E para as bolsas de 50% da mensalidade, os estudantes têm que possuir renda familiar de até três salários mínimos (R$ 1.395,00) por pessoa. Os candidatos também precisam atender pelo menos um entre os seguintes critérios: ter cursado todo o ensino médio em escola pública; se em escola particular, na condição de bolsista integral; ser pessoa com deficiência; professor do quadro permanente da rede pública da educação básica.
Rafael Antony se formou no ensino médio em 2008. Fez o Enem e se inscreveu no ProUni em dezembro. Conseguiu uma bolsa para enfermagem, mas desistiu porque pretendi fazer medicina. ?Consegui bolsa para o curso de enfermagem, mais quero mesmo fazer medicina e por isto vou me inscrever no ProUni deste semestre?, afirma o estudante.

print
Comentários