O comércio deve voltar a impulsionar o mercado de trabalho em 2013. A previsão é de uma geração de 465 mil novos postos de trabalho formais no setor ao longo deste ano, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).
Embora o Índice de Confiança dos Empresários do Comércio (Icec) de janeiro tenha registrado queda de 1,6% na comparação com o mesmo período de 2012, houve forte melhora na expectativa de contratação de funcionários (5,3%).

Em 2012, o emprego já tinha crescido bem. O comércio e os serviços responderam por cerca de 80% dos postos de trabalho criados. Então, essa alta (na expectativa de novas contratações) foi surpreendente. Esperávamos um aumento menor. Vamos ver se isso se confirma ao longo do ano, ponderou Fabio Bentes, economista da CNC.

O comércio gerou 372 mil vagas com carteira assinada no ano passado. Embora o número absoluto seja maior este ano, a variação é menor, ressaltou Bentes. O aumento no número de vagas foi de 4,4% em 2012 em relação a 2011. Se a previsão para 2013 se confirmar, o avanço no emprego no setor será de 3,1% ante o ano anterior.

O bom momento do emprego no comércio é creditado à expansão nas vendas. A previsão da CNC é de que o volume vendido no varejo avance 7,5% este ano.

Se a perspectiva de venda é boa, o empresário do comércio tem que contratar. Na indústria, o empresário faz investimento em equipamentos, mas o comércio é muito intensivo em mão de obra, lembrou Bentes.

Em janeiro, a avaliação dos empresários sobre a situação atual dos estoques também melhorou (1,2%), enquanto o nível de investimentos das empresas permaneceu estável. O indicador das expectativas do empresário, por sua vez, manteve-se equilibrado, mas ainda em patamar bastante otimista, aos 154 pontos, numa escala de 0 a 200 pontos. Já o indicador que mede a percepção sobre as condições atuais teve recuo de 7,2% ante janeiro de 2012.
Fonte: O Tempo Online

Imprimir
Comentários