O medo do rompimento de uma barragem de 75 metros, classificada como de alto risco, atingir a cidade histórica de Congonhas, a 75 km de Belo Horizonte, mobiliza moradores e a Prefeitura do município. A Secretaria Municipal de Meio Ambiente informou que vai multar a mineradora CSN por descumprimento de medidas de segurança da estrutura Casa de Pedra.

A população pede providências dos órgãos públicos com a apreensão de viver um pesadelo semelhante a Brumadinho.

Em uma reunião realizada na noite dessa terça-feira (29), com presença do prefeito Zelinho de Freitas e do Ministério Público, os moradores de bairros vizinhos à barragem acordaram que irão encaminhar reivindicações à mineradora pedindo mais segurança.

O diretor da União de Associações Comunitárias de Congonhas (Unaccon), Sandoval de Souza Pinto Filho, afirma que o maior fator de risco é o posicionamento geográfico da barragem e a forma de ampliação que a estrutura recebeu ao longo dos anos. Segundo ele, são centenas de casas ao redor da estrutura.

Os moradores dos bairros próximos da mina Casa de Pedra estão mobilizando a CSN a secar a barragem de rejeitos. Com capacidade para 76 milhões de metros cúbicos a barragem passou por reparos em 2017 devido a um vazamento no dique de sela.

Com um patrimônio histórico importante que abriga as esculturas dos profetas de Aleijadinho, o Ministério Público acompanha de perto os desdobramentos de ações e licenciamento da Casa de Pedra. O promotor de Meio Ambiente de Congonhas, Vinicius Galvão, informou que desde 2013, após a primeira denúncia de falha na estrutura, o órgão atua com perícias e laudos de acompanhamento. “Fizemos outra perícia também em 2017, depois que uma pessoa tirou foto de uma rachadura e a situação foi solucionada. Coincidentemente, no dia 24 de janeiro passado, fizemos outro estudo e aguardamos o resultado. Esse trabalho tem que ser feito sempre”.

Segundo Galvão, não há motivos para a população ficar alarmada, já que o MP sempre trabalhou e acompanhou de perto a estrutura na cidade. De acordo com ele, uma recomendação ao prefeito foi feita para que o município use o recurso do Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), para contratar profissionais independentes em universidades que possam fazer trabalhos permanentes de acompanhamento e análise da barragem.

“O dinheiro não é pouco, são 3,5% do lucro da exploração. É só ligar o dinheiro da prefeitura com profissionais especializados. Porque o governo não tem condição de fiscalizar como se deve”.

A Prefeitura informou, por meio de nota, que está do lado da população e vai cobrar mais energicamente ações de segurança da CSN Mineração.

 

 

Fonte: O Tempo e R7||

Imprimir

Comentários