O Cruzeiro informou na noite dessa terça-feira (3) que o Conselho Deliberativo aprovou, por ampla maioria, a constituição da Sociedade Anônima do Futebol. A reunião extraordinária ocorreu de forma híbrida – presencial, no clube do Barro Preto, e online – e contou com a participação de 224 conselheiros, sendo 217 favoráveis ao projeto, cinco contrários e um nulo.

O presidente Sérgio Santos Rodrigues, que retornou de viagem do Rio de Janeiro após fechar a contratação do técnico Vanderlei Luxemburgo, discursou aos presentes no encontro em Belo Horizonte. Imagens divulgadas pelo clube mostram ainda a presença do ex-mandatário Zezé Perrella e do presidente do Conselho Deliberativo, Nagib Geraldo Simões.

A abertura para transformar o clube em Sociedade Anônima do Futebol é o caminho mais rápido que o Cruzeiro entende encontrar para solucionar as dificuldades financeiras. Conforme o balanço de 2020, as dívidas da instituição são calculadas em quase R$900 milhões, ante uma arrecadação inferior a R$120 milhões com o rebaixamento à Série B.
Com a SAF, o Cruzeiro formará uma empresa para gerenciar as atividades do futebol, poderá vender até 49% de suas ações no mercado e manterá a associação civil como sócio majoritário. O novo modelo de clube-empresa (projeto de lei 5516/2019) já foi aprovado no Senado e na Câmara dos Deputados em meados de julho e pode ser sancionado tacitamente caso o presidente Jair Bolsonaro não se manifeste em um prazo de 15 dias após a apreciação do Poder Legislativo. Todavia, o próprio chefe do Executivo se mostrou favorável à mudança.

O conselho de administração da SAF administrará as atividades de futebol e se responsabilizará por nomear um CEO e uma diretoria. A composição do grupo será discutida no acordo de acionistas.

Assim, quase todos os ativos do Cruzeiro (direitos econômicos de atletas, direitos de transmissão, programa de sócio, publicidade e patrocínio) ficarão sob gestão empresarial. Por outro lado, imóveis e clubes de lazer continuarão como patrimônio da associação.
O valor das ações da SAF será definido com auxílio da consultoria norte-americana Alvarez & Marsal. O Cruzeiro entende que, apesar das crises financeira e esportiva, a marca do clube é muito atrativa e pode gerar grande potencial de valorização.

De acordo com o Cruzeiro, os recursos arrecadados com a venda de participação na SAF serão destinados prioritariamente para o pagamento de dívidas mais onerosas, além de investimento no elenco e na infraestrutura dos centros de treinamentos.
A proposta da diretoria celeste diz que 20% dos rendimentos da SAF serão destinados ao pagamento de dívidas. O plano de amortização será feito em um acordo de acionistas.

Fonte: MG Superesportes

print
Comentários