Numa iniciativa inédita no Estado, a Copasa vai utilizar a indução de chuvas para aumentar a vazão da barragem do Rio Juramento, sistema Rio Grande, a fim de amenizar a escassez hídrica em Montes Claros (400 mil habitantes). Responsável pelo abastecimento de 65% da cidade, mesmo após as últimas chuvas, o reservatório continua com volume baixo (21,8% até sábado [6]) e a população continua enfrentando o racionamento.

A Copasa vai recorrer à tecnologia para “fazer chover” depois de outras tentativas para amenizar a escassez. Além da perfuração de poços tubulares, foi iniciada a construção de uma adutora para captação no Rio Pacuí, a 56 quilômetros de distância, no município vizinho de Coração de Jesus, obra que está em andamento e que somente entrará em funcionamento em agosto ou setembro.

A adutora do Rio Pacuí gerou polêmica com os pequenos produtores da região, alegando que o manancial não tem vazão suficiente para fornecer água para Montes Claros. A companhia também anunciou a construção de 146 quilômetros de adutora (investimento de R$ 323 milhões) para captação de água no Rio São Francisco para abastecer Montes Claros, aproveitando os 90 quilômetros da adutora até o Pacuí.

A indução de chuvas na área do reservatório do Rio Juramento será aplicada pela empresa especializada Modclima (de São Paulo). Ela foi contratada por meio de licitação, por R$ 1,291 milhão para aplicar a técnica durante quatro meses. “É oportuno que o procedimento seja feito quando há nuvens formadas para induzir a precipitação”, informa a Copasa.

Começaram a ser instalados na região (em solo) equipamentos (câmeras) que vão monitorar o deslocamento de nuvens na área da Barragem do Rio Juramento, localizada no município homônimo. A previsão é que a indução da precipitação com o uso do avião seja iniciada ainda nesta semana. O avião vai decolar do aeroporto de Montes Claros, a 30 quilômetros do reservatório, com tanque de 250 litros de água potável para fazer a indução das nuvens.

De acordo com a empresa responsável pela técnica, a quantidade de precipitação depende das condições atmosféricas e do tamanho da nuvem “semeada” (induzida). Mas já foi medida a queda de 60 milímetros por conta do processo de produção de “chuva artificial”. As médias de precipitações variam de cinco a 40 milímetros.

A “chuva artificial” foi usada para aumentar o volume de reservatórios e amenizar a crise hídrica em São Paulo (Sistemas Cantareira e Alto Tietê), onde o processo também foi desenvolvido pela Modclima, contratada pela Companhia de Saneamento de São Paulo (Sabesp). Conforme a empresa, os primeiros voos experimentais foram realizados em 1998, na região de Atibaia (SP). Em 2005, a empresa firmou o primeiro contrato com a Sabesp para a produção de chuvas artificiais sobre o Sistema Cantareira.

 

Fonte: Estado de Minas||

Imprimir

Comentários