Um barco com nove pessoas – quatro adultos e cinco crianças –, todas sem colete salva-vidas, virou no lago de Furnas, no sábado (17), em Varginha, no Sul do Estado. De acordo com o Corpo de Bombeiros, uma mulher morreu.

O homem que pilotava o barco foi detido, mas liberado em seguida. Segundo testemunhas, ele teria ingerido bebida alcoólica durante todo o dia.

De acordo com o subtenente do Corpo de Bombeiros Paulo Estevão, Priscila Martins, de 26 anos, se afogou depois que o grupo de amigos, que estava em um condomínio na região, resolveu dar um passeio de barco. No entanto, durante uma manobra, a embarcação virou e todos caíram na água. O barco teria virado a cerca de 30 metros da margem.

Pessoas que estavam próximas ao local socorreram as vítimas. Priscila, no entanto, não conseguiu se manter na superfície da água e acabou afundando. A mulher, que completaria 27 anos na próxima semana, era mãe de duas meninas gêmeas que também estavam na embarcação.

De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, além da falta de coletes salva-vidas, o barco estava com nove pessoas e tinha capacidade para apenas seis.

O homem, de 38 anos, não apresentou habilitação ou autorização para conduzir o barco de pequeno porte. De acordo com testemunhas, ele havia bebido durante todo o dia.

Apesar disso, nenhum teste de teor alcoólico foi realizado pelos bombeiros no condutor da embarcação. Segundo a Polícia Civil, um inquérito foi instaurado para verificar se houve homicídio culposo, quando não há a intenção de matar.

Buscas

Um helicóptero do Corpo de Bombeiros foi acionado para ajudar nas buscas, que contou também com a participação de um grupo por terra. Mesmo assim, a vítima não foi localizada e as buscas tiveram que ser interrompidas no início da noite de sábado, sendo retomadas na manhã desse domingo (18).

Devido à grande quantidade de barro no fundo do lago, o corpo de Priscila só foi encontrado na tarde desse domingo (18), após mais de cinco horas de buscas. A mulher foi localizada a aproximadamente 55 metros da margem, próximo ao local do acidente, e a três metros de profundidade.

Lago de Furnas

  Também conhecido como “Mar de Minas”, o lago de Furnas banha 34 municípios do Estado. Ele é a maior extensão de água de Minas Gerais e um dos maiores lagos artificiais do mundo. A represa, que é alimentada por nascentes e rios, cobre uma superfície de 1.457,48km², quatro vezes mais que a Baia de Guanabara, no Rio de Janeiro.

Afogamento

 Questionado sobre o número de afogamentos e ocorrências no local, o Corpo de Bombeiros informou que só nesta segunda-feira (19) teria acesso às estatísticas.

Recomendação

 O Corpo de Bombeiros orienta a todos que fizerem uso de mananciais, como lagos, rios e açudes, a sempre utilizarem equipamentos de segurança, além de ser obrigatório portar habilitação para as embarcações.

(Foto: Corpo de Bombeiros)

 

Fonte: O Tempo Online||

Imprimir

Comentários