Redação Últimas Notícias

O prefeito de Formiga, Eugênio Vilela, juntamente com o secretário de Saúde, Leandro Pimentel, a diretora jurídica, Adriano Prado e o chefe de Gabinete e diretor interino de Comunicação, Marden Lima, concedeu uma coletiva de imprensa na manhã desta quinta-feira (9) e explicou sobre um novo decreto que deve ser publicado na próxima segunda-feira (13), em relação ao coronavírus. Algumas medidas são de flexibilização.

Neste primeiro momento, haverá mudanças no funcionamento de academias, igrejas e na Feira Livre. Conforme foi explicado, seguindo as orientações do Ministério da Saúde, em relação às academias, de forma coletiva ainda será mantida a vedação, mas o personal trainer poderá atender individualmente o aluno, assim como o setor de pilates.

Outra flexibilização é em relação às igrejas, com até 10% de capacidade de lotação. Lembrando que aquelas pessoas que estão em grupos de risco não poderão frequentar os cultos e missas.

Em relação à Feira Livre haverá um rodízio de até 15 bancas. A Associação dos Feirantes irá se organizar e definir o dia para cada feirante poder comercializar seus produtos.

O Executivo ressaltou que, por enquanto, o comércio será mantido fechado.

Eugênio disse que a população não se conscientizou ainda pois há um grande fluxo de pessoas nas ruas. “Estamos fiscalizando, mas chegou um momento que vamos ter que enviar um projeto para a Câmara para multar essas pessoas. Eu acho que esse movimento todo nas ruas é porque ainda não há caso de coronavírus confirmado em Formiga. As pessoas estão muito céticas quanto a essa situação”.  

“É um estudo diário. Por enquanto para segunda-feira serão essas medidas. Em relação ao comércio, serão estudadas possibilidades”, disse Adriana Prado.

Leandro Pimentel complementou que essas medidas são gradativas para dar mais conforto e segurança à população. “Isso não quer dizer que as pessoas estão autorizadas a circular pela cidade. É falta de pensar no outro. Se precisa ir ao banco, vá apenas uma pessoa da família”.

Indagado, o secretário de Saúde ressaltou que uma hora ou outra o vírus vai chegar em Formiga, mas não há casos confirmados. “A prevenção é para evitar um colapso no sistema de saúde. Cuidar de 30 pessoas infectadas é diferente de cuidar de mil”.

Leitos

Leandro explicou que atualmente, Formiga conta com 17 leitos de UTI e o Estado enviará mais 15, além de 8 respiradores disponíveis.

Questionado, o secretário ressaltou que Formiga é referência para a macro-região e até o momento não há nenhum caso confirmado. “Mas caso for preciso, Formiga pode atender um paciente de Divinópolis sim e vice-versa, isso é muito relativo. Não é uma regra que o paciente de Formiga tem que ficar internado em Formiga. Os critérios para ocupar leitos são clínicos”.   

Convênio com o hospital Santa Marta

Eugênio disse que a Prefeitura não pode afirmar que não terão casos confirmados em Formiga. “Vamos seguir o que o Ministério da Saúde tem recomendado. Estamos é prorrogando ao máximo a perspectiva de ter um caso aqui”.

O prefeito disse que no dia 23 de março, o Executivo se reuniu com a proprietária do hospital Santa Marta já pensando nos leitos de retaguarda. “Isso é para a gente se preparar caso haja alguma contaminação. Anunciamos o aluguel dos leitos somente nesta semana, por cautela e para não criar nenhuma expectativa”.

Toque de recolher

O prefeito explicou também que não havia embasamento técnico para a medida de toque de recolher. “Alguma cidade tem toque de recolher e tem dois casos da doença”.

  

Imprimir
Comentários