Na primeira noite de vigência do decreto municipal que impõe medidas restritivas em Governador Valadares contra o avanço da Covid-19, a Polícia Militar, fiscais de Posturas e da Vigilância Sanitária tiveram muito trabalho e enfrentaram resistências de comerciantes que não quiseram fechar as portas.

O decreto permite funcionamento de bares e restaurantes até as 20h. Depois desse horário, todos devem fechar as portas para os clientes, de forma presencial, e funcionar apenas com o sistema de entregas.

As igrejas deveriam fazer o mesmo, mas no fim da tarde de sábado (13), a prefeitura divulgou novo decreto, o de número 11.361/2021, que alterou Decreto 11.360, publicado na sexta-feira (12) e liberou as igrejas para celebrar missas e cultos, sem limite de horário.

Os donos bares e restaurantes, que já estavam insatisfeitos, se encorajaram. Um restaurante de comida japonesa localizado na área central da cidade, a poucos metros do Hospital Municipal com seus leitos UTI Covid-19 SUS todos ocupados, publicou em sua rede social que funcionaria normalmente, até as 23h30.

“Estaremos funcionando em horário normal! Ninguém vai nos impedir de trabalhar e levar o sustento para nossas famílias para as nossas famílias. Estamos esperando nossos clientes em nossa casa de forma segura e preparada até as 23h30”, avisou a publicação.

Por volta das 21h, as viaturas da PM e os fiscais da prefeitura foram ao restaurante e encontraram forte resistência dos proprietários e funcionários da casa, que fizeram um cordão de isolamento na porta para impedir a entrada dos policiais e fiscais.

O procurador-geral do município, Elias Souto, foi ao restaurante tentar convencer os donos a fechar as portas, mas não conseguiu. A ocorrência foi encaminhada ao Ministério Público. 

Na rede social do restaurante, muitos clientes deram apoio à resistência. Outros reprovaram. Nas respostas aos clientes, o restaurante informava que precisa funcionar para se sustentar dar sustento às famílias dos funcionários.

Colapso continua

Perto do restaurante onde se desenrolou a contenda pelo fechamento, o Hospital Municipal permanecia com todos os leitos UTI Covid-19 SUS e enfermaria lotados. Do lado do HM, a Policlínica Municipal registrava movimentação incomum, com mais pessoas que o habitual, a espera de atendimento.

A Policlínica é o primeiro local a receber os casos suspeitos de Covid-19, e onde as pessoas com sintomas da doença fazem o teste para detectar a presença do novo coronavírus no organismo.

A situação continua tensa. No Boletim Epidemiológico expedido pela Secretaria Municipal de Saúde no sábado, foram registradas mais três mortes por Covid-19 e mais 145 novos casos da doença.

Alheios a tudo isso, bares e restaurantes resistiram em cumprir o decreto municipal, na área central e nos bairros periféricos. Muitos fecharam as portas por completo, outros resistiram e deram trabalho à PM e aos fiscais. 

Fonte: Estado de Minas

print
Comentários