Minas Gerais bateu um novo recorde de mortes causadas pela Covid-19 registradas em 24 horas. Foram 170 óbitos a mais desde a véspera, totalizando 3.783 vítimas fatais da doença.

O recorde anterior foi no dia 5 de agosto, com 152 registros em 24 horas.

Ao todo, 160.485 pacientes já foram diagnosticados com a doença no estado – 3.934 a mais em 24 horas.

Os dados foram divulgados no boletim epidemiológico desta quarta-feira (12).

Casos por município

Dos 853 municípios mineiros, 822 já tiveram ao menos um paciente infectado com a Covid-19. Isso representa 96% do total de cidades no estado. Além disso, 428 cidades já tiveram pelo menos uma morte – mais da metade das cidades mineiras.

A cidade com mais pacientes e com mais mortes é a capital, que já teve 26.440 casos confirmados de Covid-19, dos quais 722 resultaram em morte.

Ocupação dos leitos no estado

Na manhã desta terça-feira (11), a taxa de ocupação dos leitos de UTI está em 65%, referente ao dia 10. Na região central do estado, chega a 78%. São 3.869 leitos de UTI públicos.

Já a taxa de ocupação dos leitos de enfermaria em Minas está em 56%. São 20.864 leitos de enfermaria. Na Região Central, a taxa chega a 66%.

Perfil dos pacientes

Segundo os dados do governo, 128.957 pacientes se recuperaram da doença no estado.

Do total de pacientes diagnosticados com a Covid-19, 17.319 tiveram que ser internados na rede pública ou privada e 143.166 ficaram em isolamento domiciliar. Em 2020, houve 44.847 internações por síndrome respiratória aguda grave (na qual se inclui a Covid-19), 1.306% a mais em relação ao mesmo período de 2019.

Na rede pública, 87.477 pessoas foram testadas para saber se estavam com Covid-19.

A maioria dos pacientes que morreram com a Covid-19 era de homens: 58% do total. E idosos: 78% têm mais de 60 anos. Dos óbitos, 37% são de cor branca e 43% de cor parda. Além disso, 76% dos óbitos ocorreram em pacientes que já tinham fatores de risco, principalmente cardiopatia, diabetes e pneumopatia.

Outros fatores de risco registrados foram doença renal, transtornos mentais, doença neurológica, tabagismo, neoplasia, hipotireoidismo e doença genitourinária.

Matéria do G1

Imprimir
Comentários