O Cruzeiro convenceu Felipão a assumir o comando técnico da Raposa e o projeto de iniciar uma volta por cima na Série B do Campeonato Brasileiro. O anúncio foi feito na noite desta quinta-feira (15). O contrato do treinador vai até o fim de 2022.

Esta é a segunda passagem de Luiz Felipe Scolari na Toca II. A primeira foi de 2000 a 2001. Nos celestes, sagrou-se vencedor da Copa Sul-Minas de 2001, último título antes de assumir a Seleção Brasileira que viria a ser pentacampeã mundial em 2002.

“Não queremos só este ano, não. Queremos 2021, 2022… Vou estar com vocês dando tudo aquilo que posso dar, de contribuição, conhecimento, amizade, tudo o que o Cruzeiro me deu também”, disse o novo comandante azul.

Os auxiliares Paulo Turra e Carlos Pracidelli trabalharão com ele. Pracidelli estará em Belo Horizonte já nesta sexta-feira. 

Felipão não dirige os azuis nesta sexta-feira (16). Diante do Juventude, às 21h30, no Mineirão, o time estará sob a tutela do auxiliar Célio Lúcio. A estreia do gaúcho acontecerá contra o Operário, na próxima terça-feira, no Paraná. 

Busca por treinador

Após a demissão de Ney Franco, o Cruzeiro foi à busca de um treinador, mas escutou “não” de Lisca (América), do próprio Felipão, de Umberto Louzer (Chapecoense) e de Marcelo Chamusca (Cuiabá).

Nesta quinta-feira, em nova reunião com Scolari, a diretoria estrelada conseguiu convencê-lo de assumir a equipe, que vive uma situação delicadíssima na competição nacional. Atualmente, a Raposa ocupa a 19ª colocação no campeonato, com apenas 12 pontos em 15 partidas disputadas.

Felipão é o quarto técnico do Cruzeiro em 2020. Antes dele, passaram pelo clube Adilson Batista, Enderson Moreira e Ney Franco.

Na Série B, Enderson teve aproveitamento de 45,8% (três vitórias, dois empates e três derrotas). Já Ney dirigiu o time em quatro reveses, um empate e dois triunfos (33,3% de desempenho).

Currículo

Nascido em Passo Fundo (RS), Felipão tem 27 títulos conquistados. Teve passagens marcantes por Criciúma (pelo qual obteve a Copa do Brasil de 1991), Grêmio (tendo abocanhado a Copa do Brasil de 1994, a Libertadores de 1995 e o Brasileiro de 1996) e Palmeiras (no clube alviverde ganhou a Liberta de 1999, a Copa do Brasil de 2012 e a Série A de 2018).

Por outro lado, tem na conta alguns fracassos históricos. Esteve presente na temporada de rebaixamento do Palmeiras em 2012 e dirigiu a Seleção Brasileira no fatídico 7 a 1 aplicado pela Alemanha nas semifinais do Mundial de 2014.

Ficha técnica – Felipão
Nome
: Luiz Felipe Scolari
Nascimento: 09/11/1948
Naturalidade: Passo Fundo (RS)
Carreira: CSA (1982), Juventude (1983), Brasil-RS (1983 e 1984), Al Shabab – Riyadah (1984 e 1985), Pelotas-RS (1986), Juventude-RS (1986 e 1987), Grêmio (1987), Goiás (1988), Al Qadsia (1988 e 1989), Seleção do Kuwait (1990), Al-Ahli Saudi (1991), Criciúma (1991), Al Qadsia (1992), Grêmio (1993 a 1996), Júbilo Iwata (1997), Palmeiras (1997 a 2000), Cruzeiro (2000 e 2001), Seleção Brasileira (2001 e 2002), Seleção Portuguesa (2003 a 2008), Chelsea (2008 e 2009), Bunyodkor (2009 e 2010), Palmeiras (2010 a 2012), Seleção Brasileira (2013 e 2014), Grêmio (2014 e 2015), Guangzhou Evergrande (2015 a 2017), Palmeiras (2018 e 2019) e Cruzeiro (desde 10/2020).
Títulos: Campeonato Gaúcho (1987), Copa do Kuwait (1990), Copa do Golfo (1990), Copa do Brasil (1991), Copa do Brasil (1994), Campeonato Gaúcho (1995), Copa Libertadores (1995), Campeonato Gaúcho (1996), Recopa Sul-Americana (1996), Campeonato Brasileiro (1996), Copa do Brasil (1998), Copa Mercosul (1998), Copa Libertadores (1999), Torneio Rio-São Paulo (2000), Copa Sul Minas (2001), Copa do Mundo (2002), Liga Uzbeque (2009), Copa do Brasil (2012), Copa das Confederações (2013), Liga Chinesa (2015), Liga da Ásia (2015), Supercopa da China (2016), Liga Chinesa (2016), Copa da China (2016), Supercopa da China (2017), Liga Chinesa  (2017) e Campeonato Brasileiro (2018).

Matéria do Hoje em Dia

Imprimir
Comentários