Um duelo entre Cruzeiro e Atlético por uma vaga nas semifinais da Copa do Brasil começa na quinta-feira (11) no Mineirão.

Respectivos momentos à parte – o do Galo é mais tranquilo que o da Raposa, dentro e fora de campo – os dois técnicos têm aspectos a seu favor e motivos de preocupação. Os números mostram que o agora efetivo Rodrigo Santana tem, à disposição, um time mais jovem, o que é sinônimo de vitalidade física e possibilidade de apostar nas jogadas rápidas.

Já Mano Menezes conta com um grupo de titulares mais alto que, se não vem conseguindo fazer prevalecer a vantagem na defesa, faz do jogo aéreo ofensivo uma arma importante. O que, aliás, tem sido a principal preocupação alvinegra na temporada.

No Galo, Alerrandro, com 19 anos; Zé Welison e Igor Rabelo, com 24, ajudam a puxar para baixo uma média de idade que fica nos 29. Curiosamente, mesmo com a ida de Leonardo Silva, Adílson e Ricardo Oliveira para o banco, o time envelheceu em relação ao Mineiro, quando o jovem Guga era o titular na lateral-direita. Atualmente, quatro são os trintões em campo – Victor, Réver, Fábio Santos e Elias.

Do lado estrelado, a situação se inverte. Apenas Lucas Romero e Marquinhos Gabriel ainda estão na casa dos 20. E Fábio, aos 38, será o mais experiente em ação – um aspecto de menor peso para quem atua embaixo das traves, tanto assim que o camisa 1 celeste vive um de seus melhores momentos, mesmo com a queda de rendimento coletiva após a conquista do Mineiro.

Trata-se de uma característica, no entanto, que acaba condicionando o estilo de jogo da equipe de Mano, exigindo perfeição na troca de passes e no posicionamento, assim como atuações inspiradas dos homens de criação e conclusão.

Dois centímetros

No quesito altura, vantagem de dois centímetros para o Cruzeiro (1,79m a 1,77m), o que pode não ser tão visível na defesa (Dedé e Réver empatam como os mais altos do confronto, com 1,92m, enquanto Rabelo é quatro centímetros mais alto que Léo), mas amplia o leque de opções no ataque. Com 1,85m, Fred deu inúmeras mostras do poder de suas cabeçadas, além de ter um posicionamento na área considerado referência para a posição.

O atacante referência alvinegro, Alerrandro, é o mais alto entre os homens de meio e ataque atleticanos, com 1,76m, enquanto Luan, Chará e Cazares praticamente desaparecem em meio à marcação adversária.

Como o futebol gosta de brincar com a lógica, nada impede que um baixinho alvinegro balance as redes de testa; ou que um jogador ‘pra lá dos 30’ da Raposa deixe o seu em um contra-ataque rápido. Mas em busca de uma classificação sobre o maior rival, com direito a um cheque de R$ 3,6 milhões e o sonho de mais um título levado adiante, vale apostar em qualquer vantagem.

 

 

Fonte: Hoje em Dia ||

print

Comentários