Retomar um namoro e reescrever novos capítulos do relacionamento são algo comum na sociedade. No futebol não é diferente. Em meio à pandemia pelo novo coronavírus, Atlético e Cruzeiro flertam com dois “ex” e fazem o possível para tê-los de volta.

No caso do Galo, o “crush” é Róger Guedes, que atualmente pertence ao Shandong Luneng, da China. Na Raposa, o sonho de consumo é Lucas Romero, que não descarta a saída do Independiente, da Argentina.

Emprestado pelo Palmeiras em 2018, apesar de um início conturbado, no qual acabou sob olhares de desconfiança, Guedes embalou e, em 28 jogos disputados, balançou a rede em 13 oportunidades. 

Quando trocou o Brasil pela Ásia, ele era um dos artilheiros do Campeonato Brasileiro, o que fez deixar ótimas recordações na memória dos atleticanos.
Treinando em Criciúma, o atacante de 23 anos, mais uma vez, volta à pauta da diretoria alvinegra. O “fogo do amor” se reacendeu nos últimos dias, quando o próprio agente Paulo Pitombeira revelou que o Shandong deseja emprestá-lo a um clube brasileiro, com todos os salários pagos, até dezembro, por causa da pandemia. Contudo, há um empecilho.

No contrato de venda de Guedes ao Shandong, em negociação feita com o Palmeiras, há uma cláusula que dá ao alviverde o direito de receber 3 milhões de euros (cerca de R$ 16 milhões) caso o atleta defenda (por empréstimo) qualquer outra equipe brasileira. Este, inclusive, seria o grande entrave para os atleticanos.

Romero e o Cruzeiro

Já no caso do Cruzeiro, rebaixado para a Série B do Campeonato Brasileiro, o namoro recente é com um argentino que caiu nos braços da China Azul e se tornou ídolo pela entrega em campo. 
O volante Lucas Romero, que trocou a Raposa pelo Independiente, da Argentina, no meio do ano passado, vê com bons olhos o retorno à Toca II. E o presidente Sérgio Santos Rodrigues, na “Live do Presidente” da última quarta-feira, disse que faria o “possível e impossível” pelo retorno de “El Perro”, como Romero é conhecido. 

Assim como a maioria dos clubes, o alvirrubro do país hermano também convive com meses de atrasos salariais. Este motivo, inclusive, seria a porta de saída para o atleta. Porém, há também dificuldades no processo. Um deles, o desejo do Independiente em apenas vender Romero. E o Cruzeiro, em grave crise financeira, não tem como pagar.

O outro problema, que talvez seja mais fácil de ser solucionado, é o fato de o volante ter os vencimentos em dólares. Contudo, o argentino já teria deixado claro o desejo de voltar ao Cruzeiro, se readequando à realidade dos mineiros.

Fonte: Hoje em Dia

print
Comentários