Se almeja uma campanha incrível no 2º turno para retornar à Série A, o Cruzeiro tem uma missão: vencer todas em casa. O Mineirão é historicamente um local que a Raposa domina, porém, na Série B, o time não consegue emplacar bons jogos. Uma vitória daria confiança, além de tirar o Cruzeiro da zona do rebaixamento. Terminar um turno da Série B no Z-4 seria dramático para uma instituição tão grande como o Cruzeiro Esporte Clube.

Com o objetivo único de vencer, o Cruzeiro duela com o Paraná na noite desta sexta-feira (30), às 21:30, no Mineirão. A equipe mineira está em 18º, com 17 pontos, dois pontos atrás do Náutico, primeira equipe fora do Z-4. Já o Paraná é o 5º colocado, com os mesmos 28 pontos do Juventude, primeiro time dentro do G-4. Desejos opostos, vontade semelhante: a vitória.

O Cruzeiro está tendo números melhores com Felipão – uma vitória na estreia e um empate por 1 a 1 com o Náutico na última partida – e deseja seguir nesta sequência. São quatro jogos sem ser derrotado, mas o número de empates nesta sequência – três de quatro partidas terminaram empatadas – é o principal problema. Mesmo assim, o Cruzeiro está confiante na sua defesa. A Raposa sofreu apenas um gol nas últimas quatro vezes que entrou em campo. 

O ponto que assusta o torcedor cruzeirense é o mau desempenho em casa. O Cruzeiro é o 6º pior mandante, com apenas três vitórias em Minas Gerais. A última vitória completa nesta sexta um mês. O triunfo foi contra a Ponte Preta, a melhor atuação da equipe celeste na Série B. Inspiração melhor não há.

Já o Paraná vive um momento incerto. Nas últimas oito partidas, a equipe venceu apenas uma vez. O resultado mais comum nas partidas recentes está sendo os empates – cinco nos últimas oito vezes que entrou em campo. Como visitante, o Paraná venceu apenas duas vezes na competição.

O retrospecto é favorável ao time mineiro. São 25 jogos na história e o Cruzeiro saiu vencedor em 11 oportunidades. O Paraná venceu 8 e houve empate 6 vezes. Com mando da Raposa foram 10 partidas e o Paraná conseguiu 3 triunfos, mostrando que não é um visitante tão agradável aos donos da casa. 

Outro ponto negativo para os cruzeirenses é o retrospecto recente. Nos últimos 10 jogos, o Cruzeiro venceu apenas uma partida, justamente a última, em 2018. O único triunfo nos últimos 15 anos ficou marcado com um 3 a 1 para a Raposa, com direito a gols de Arrascaeta, Fred e Rafael Sóbis.

O técnico Luiz Felipe Scolari terá muita dor de cabeça para decidir a escalação. Como noticiado na terça (27), o Cruzeiro teve duas baixas importantes nesta semana, mas contou com dois retornos. Matheus Pereira e Arthur Caíke estão no Departamento Médico, que contou com Raúl Cáceres por mais de um mês. Além de Raúl, Manoel também retornou. 

A defesa deve ter as principais mudanças. Patrick Brey assume a vaga de Matheus. Manoel deve retornar e Ramon e Cacá disputarão a outra vaga. A cria da base tem vantagem após a boa partida contra o Náutico e deve ser titular. Vale ressaltar que Ramon pode ser utilizado como volante. Na lateral direita, Daniel Guedes não foi relacionado e Rafael Luiz não está bem, por isso Raúl pode retornar já como titular.

O meio-campo mostrou mais uma vez falta de qualidade e pode passar por alterações. Machado deu um ótimo lançamento no início do gol de empate contra o Náutico e pode ganhar outra chance. Maurício segue fora, devido a sua participação na Seleção Sub-20 – onde marcou um belo gol – e Régis permanecerá como titular.  Giovanni Piccolomo, reforço anunciado nessa quinta, ainda não foi inscrito no BID.

Airton, após um gol e uma assistência nos últimos dois gols do Cruzeiro, ganhará a vaga do lesionado Arthur Caíke. A dúvida é sobre a manutenção dos contestados Marquinhos Gabriel e Marcelo Moreno. Zé Eduardo retornou de empréstimo e até hoje não ganhou uma chance para atuar por muitos minutos. 

Fonte: Estado de Minas

Imprimir
Comentários