Cruzeiro leva goleada histórica do River e é eliminado da Libertadores

Nem o mais pessimista torcedor poderia esperar um golpe tão duro como este. Time celeste foi dominado do início ao fim e perdeu em pleno Gigante da Pampulha: 3 a 0

Nem o mais pessimista torcedor poderia esperar um golpe tão duro como este. Time celeste foi dominado do início ao fim e perdeu em pleno Gigante da Pampulha: 3 a 0

A festa antes do jogo foi bonita. Os quase 54 mil cruzeirenses presentes no Mineirão entoaram o nome de Marcelo Oliveira assim que foi respeitado um minuto de silêncio em memória de sua mãe, Luiza Oliveira. Ela faleceu nessa terça-feira aos 86 anos de idade em decorrência de câncer. Levando consigo um semblante de concentração, o treinador celeste acenou para a torcida e agradeceu. E logo aos 2min, quase viu sua equipe abrir o marcador no Gigante da Pampulha. Willian ganhou de Maidana na dividida e poderia ajeitar a bola com mais calma. Contudo, o atacante celeste decidiu chutar de qualquer jeito, sem muito capricho. Bateu com o pé esquerdo, por cima do gol.

Se Willian tivesse feito o gol, talvez a história da partida seria outra. Talvez não haveria pressão por parte do adversário. Talvez o próprio grupo celeste se mostraria mais tranquilo para ditar o ritmo da partida. Mas nem ?talvez? e muito menos ?se? existem no futebol. O River Plate passou a incomodar muito. Controlou a posse de bola, finalizou mais vezes, foi mais presente no campo de ataque. Depois de chegar três vezes com perigo, a equipe argentina abriu o placar, aos 19min. Num contra-ataque, Teo Gutiérrez tocou para a grande área e Sánchez finalizou rasteiro: 1 a 0. O Cruzeiro não deu nenhum sinal que reagiria no primeiro tempo. Pelo contrário: permaneceu acuado e sem criatividade. O River, que não tinha nada com isso, continuou em cima e conseguiu o segundo gol. Aos 44min, Maidana, de cabeça, escorou para as redes o escanteio cobrado por Ponzio: 2 a 0. Incrédulos, alguns torcedores deixaram o Mineirão no intervalo do confronto.

Ao Cruzeiro, só restava partir com tudo no segundo tempo para tentar o empate. Marcelo Oliveira chamou Gabriel Xavier, xodó da torcida, e tirou De Arrascaeta, mais uma vez apagado. Entretanto, os seis minutos iniciais transformaram em pesadelo o pequeno fio de esperança que ainda restava nos corações dos cruzeirenses. Teo Gutiérrez, que havia marcado no Mineirão pela Seleção Colombiana na Copa do Mundo de 2014, voltou a sorrir em Belo Horizonte. Em linda jogada individual, o camisa 19 driblou Bruno Rodrigo e bateu rasteiro no canto esquerdo de Fábio: 3 a 0.

O placar era dilatado demais para ser invertido em tão pouco tempo. O Cruzeiro esteve ameaçado até de levar o quarto gol, mas, por sorte, o River Plate errou as finalizações. Na frente, Leandro Damião e Alisson ? este entrou no lugar de Willian ? foram os mais perigosos, acertando uma bola na trave cada. Mas era pouco, muito pouco. No fim, o desespero de Gabriel Xavier ao tentar matar um contra-ataque argentino mostrou bem o que foi a tônica do jogo. Expulso aos 41min depois de falta cometida sobre Martínez, o camisa 18 teve o nome gritado pela torcida em sinal de apoio por ter evitado um vexame ainda maior.

Imprimir

Sobre o Autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Cruzeiro leva goleada histórica do River e é eliminado da Libertadores

Nem o mais pessimista torcedor poderia esperar um golpe tão duro como este. Time celeste foi dominado do início ao fim e perdeu em pleno Gigante da Pampulha: 3 a 0.

Nem o mais pessimista torcedor poderia esperar um golpe tão duro como este. Time celeste foi dominado do início ao fim e perdeu em pleno Gigante da Pampulha: 3 a 0.

A festa antes do jogo foi bonita. Os quase 54 mil cruzeirenses presentes no Mineirão entoaram o nome de Marcelo Oliveira assim que foi respeitado um minuto de silêncio em memória de sua mãe, Luiza Oliveira. Ela faleceu nessa terça-feira aos 86 anos de idade em decorrência de câncer. Levando consigo um semblante de concentração, o treinador celeste acenou para a torcida e agradeceu. E logo aos 2min, quase viu sua equipe abrir o marcador no Gigante da Pampulha. Willian ganhou de Maidana na dividida e poderia ajeitar a bola com mais calma. Contudo, o atacante celeste decidiu chutar de qualquer jeito, sem muito capricho. Bateu com o pé esquerdo, por cima do gol.

Se Willian tivesse feito o gol, talvez a história da partida seria outra. Talvez não haveria pressão por parte do adversário. Talvez o próprio grupo celeste se mostraria mais tranquilo para ditar o ritmo da partida. Mas nem “talvez” e muito menos “se” existem no futebol. O River Plate passou a incomodar muito. Controlou a posse de bola, finalizou mais vezes, foi mais presente no campo de ataque. Depois de chegar três vezes com perigo, a equipe argentina abriu o placar, aos 19min. Num contra-ataque, Teo Gutiérrez tocou para a grande área e Sánchez finalizou rasteiro: 1 a 0. O Cruzeiro não deu nenhum sinal que reagiria no primeiro tempo. Pelo contrário: permaneceu acuado e sem criatividade. O River, que não tinha nada com isso, continuou em cima e conseguiu o segundo gol. Aos 44min, Maidana, de cabeça, escorou para as redes o escanteio cobrado por Ponzio: 2 a 0. Incrédulos, alguns torcedores deixaram o Mineirão no intervalo do confronto.

Ao Cruzeiro, só restava partir com tudo no segundo tempo para tentar o empate. Marcelo Oliveira chamou Gabriel Xavier, xodó da torcida, e tirou De Arrascaeta, mais uma vez apagado. Entretanto, os seis minutos iniciais transformaram em pesadelo o pequeno fio de esperança que ainda restava nos corações dos cruzeirenses. Teo Gutiérrez, que havia marcado no Mineirão pela Seleção Colombiana na Copa do Mundo de 2014, voltou a sorrir em Belo Horizonte. Em linda jogada individual, o camisa 19 driblou Bruno Rodrigo e bateu rasteiro no canto esquerdo de Fábio: 3 a 0.

O placar era dilatado demais para ser invertido em tão pouco tempo. O Cruzeiro esteve ameaçado até de levar o quarto gol, mas, por sorte, o River Plate errou as finalizações. Na frente, Leandro Damião e Alisson – este entrou no lugar de Willian – foram os mais perigosos, acertando uma bola na trave cada. Mas era pouco, muito pouco. No fim, o desespero de Gabriel Xavier ao tentar matar um contra-ataque argentino mostrou bem o que foi a tônica do jogo. Expulso aos 41min depois de falta cometida sobre Martínez, o camisa 18 teve o nome gritado pela torcida em sinal de apoio por ter evitado um vexame ainda maior.

Redação do Jornal Nova Imprensa Superesportes

Sobre o Autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Deixe um comentário!

Atenção! Os comentários do portal Últimas Notícias são via Facebook, se deseja comentar esteja logado. Lembre-se que os comentários são de inteira responsabilidade dos autores e não representam a nossa opinião.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!