Uma reunião do Conselho de Notáveis, nesta segunda-feira (23), definiu as funções que cada conselheiro terá dentro do futebol do Cruzeiro. Saulo Fores (Lokamig) será o presidente, tendo como vice Vittorio Medioli (Sada). Caberá a Pedro Lourenço (Supermercados BH) o comando do departamento de futebol. 

De acordo com o Hoje em Dia, após a reunião, Lourenço conversou com a imprensa, falou a respeito dos desafios que terá daqui para frente e ressaltou que o clube montará uma equipe profissional dentro da realidade atual. A ideia é ter um time visando o Campeonato Mineiro e outro para a Série B. Nenhum deles terá um alto investimento.

“Temos que viver da realidade, o Cruzeiro hoje é um time quebrado. Não tem dinheiro para pagar cozinheiro, isso não sou eu quem está falando. Vamos ter que conversar com todo mundo. Um time na Segunda Divisão não tem condição de pagar atleta que ganha R$ 500 mil ou R$ 1 milhão. Vamos conversar com eles (jogadores) e tentar ver o que é melhor para eles”, ressaltou.

Lourenço sabe que terá muito trabalho pela frente nesta montagem de elenco, uma vez que vários atletas devem ficar “incomunicáveis” neste fim de ano. 

“Se não temos caixa, como vamos pagar? Temos que tentar encaixar jogadores em outro clube ou o que acharem melhor, dentro de uma legalidade. Espero que eles entendam, são pessoas inteligentes, com a vida feita”, disse ele, ciente de que o time profissional se reapresenta no dia 6 de janeiro de 2020.

“Temos que esperar retornar os jogadores, vamos conversar com eles, acertar a vida de alguns… Quem não quiser ficar e entrar na Justiça, não quer trabalhar no clube. Vamos tentar resolver da melhor forma. O Cruzeiro é maior que todos nós. Vamos arrumar um time e vai dar certo”, afirmou, claramente alfinetando Thiago Neves e Fabrício Bruno, que acionaram a Justiça exigindo valores não pagos pelo clube.

Por fim, destacou a importância que terão atletas mais jovens neste processo de reestruturação da equipe. “Vamos focar nos meninos, montar um time para o Mineiro e ir remendando para fazer um time para subir. Não podemos ficar na Série B. Depois, vamos voltar aos velhos tempos, se Deus quiser. Meu compromisso não é passar mão na cabeça de ninguém, só trabalho com gente honesta”, pontuou.

 

Fonte: Hoje em Dia ||
Imprimir
Comentários