Organizada pelo Sindicato dos Delegados de Minas Gerais (SINDEPOMINAS), ocorre nesta quarta-feira (23) a primeira ação em prol da Campanha de Valorização da Profissão de Delegado.
A paralisação dos trabalhos ocorrerá de 14h às 18h. Outras duas paralisações estão previstas para o dia 30 de abril (de 10h às 18h) e dia 7 de maio (de 8h ás20h).
De acordo com o ofício assinado por dez delegados da região, caso as reinvindicações não sejam atendidas, será dado início a maior greve de delegados da história do Estado.
Dentre os pleitos da categoria está a valorização da carreira, uma vez que os delegados de Minas Gerais ocupam o último lugar em salários do país na categoria. Os profissionais ainda questionam o fato de receberem a metade do valor pago a um Defensor Público, alegando que na função de delegado de polícia, a responsabilidade é inquestionavelmente maior. Segundo os delegados, a valorização da Polícia Civil e os investimentos em segurança pública refletem diretamente no êxito das investigações e na motivação dos profissionais, o que por consequência, leva ao aumento da repressão de crimes.
Durante os períodos de paralisações, os delegados não assinarão documentos de trânsito, alvarás de liberação de veículos, não farão requerimento de medidas cautelares ou protetivas. Ficam ainda suspensas as investigações de crimes, o recebimento de ocorrências, cumprimento de mandados, a realização de oitivas, a emissão de carteiras de identidade e a lavratura de autos de prisão em flagrantes que só ocorrerão em casos de extrema gravidade.
Assinam o documento os delegados: Mirelle Porto Garrido Higuchi, Irineu José Coelho Filho, Joubert José da Silva Leite, Maria Eduarda dos Santos Lobato Leite, Danilo César Basílio de Souza, Vivalde Levilesse Ferreira Júnior, Luís Paulo de Oliveira, Luciana de Souza da Silva, Tiago Albuquerque Vasconcelos, Elmer Flávio Ferreira Mateus Júnior.

Imprimir
Comentários