O presidente da Comissão de Política Agropecuária e Agroindustrial da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), deputado estadual Antônio Carlos Arantes (PSC) palestrou para mais de 300 produtores rurais em mais um evento do Circuito de Cafeicultura, desta vez, sediado em Carmo de Minas. O evento é organizado pelo Governo de Minas, Empresa de Pesquisa de Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) e Universidade Federal de Lavras (Ufla).
Na oportunidade, Antônio Carlos ponderou sobre sua preocupação sobre o atual código florestal brasileiro. ?Do jeito que está atualmente esta legislação, o produtor que trabalha, acorda cedo para cuidar de suas terras, produz alimento barato e repete suas atividades todo dia de sol a sol é considerado criminoso?. Para exemplificar, o deputado resumiu: ?Se você fizer alguma intervenção no solo da sua propriedade, você já precisa de licenciamento ambiental?.
Antônio Carlos acrescentou ainda que do jeito que está o código, 80% das Áreas de Proteção Permanente (APP), onde estão localizados as plantações de arroz, de café e de frutas deixarão de existir. E emendou: ?Aqui em Carmo de Minas, a maioria dos cafés são plantados em morros com mais de 45 graus de declividade e aí vamos sumir com as plantações do nosso café??, provocou. O deputado expôs aos presentes que foi o propositor de um debate público que discutiu este assunto pela primeira vez há quatro anos na Assembleia e que o tema foi novamente discutido na Casa Legislativa no mês passado. ?Estamos fazendo a nossa parte, já estive com o deputado federal Aldo Rebelo (PC do B-SP), relator do código e temos trazido as contribuições de Minas Gerais para mudar o que está aí?, informou.
Por falar em Aldo, o parlamentar elogiou a postura do relator do novo Código Florestal Brasileiro. ?Ele tem sido um grande nacionalista, democrático, procurou ouvir sitiantes, fazendeiros, produtores, representantes de ONGs e políticos e o novo código, se votado da maneira que está relatado por ele, melhorará a vida do produtor?, disse.
Arantes falou da sua participação da Feira de Cafés Especiais em Houston, onde percebeu que o País está sendo reconhecido internacionalmente como uma referência atual de grãos especiais e falou também sobre a intenção do Governo Anastasia em promover um fundo de proteção ao café e ao leite.
O consultor da Assembleia Legislativa de Minas em Meio Ambiente, Vitor Vasconcelos também palestrou para os produtores e comentou aos presentes os principais impasses que o código florestal têm trazido nas discussões entre produtores e ambientalistas. Vitor pregou também que é possível unir a atividade de agricultura com a preservação.
Prestigiaram também o circuito o prefeito de Carmo de Minas Yuri Vaz de Oliveira, o diretor técnico da Emater José Roberto Lara, o superintendente federal de Agricultura em Minas Gerais, Antônio do Valle Ramos; o presidente da Cooperativa Regional dos Cafeicultores do Vale do Rio Verde (Cocarive) Gláucio Pinto, entre outras lideranças do setor.

Imprimir
Comentários