Cerca de 20 moradores da pequena Carmo da Mata, cidade que tem cerca de 11 mil habitantes, organizaram-se e realizam buscas por Ana Clara Pereira Gonçalves, de 5 anos. A menina desapareceu na tarde de sábado (12), enquanto a mãe lavava roupas.

“Nós montamos uma equipe e rastreamos as câmeras de segurança das casas. Em uma das imagens, foi visto o carro do padrasto da menina passando pela rua Expedicionário José da Cruz, onde eles moram. Ana Clara não foi filmada, só se estava dentro do carro”, contou o motorista Diego Augusto Teixeira de Oliveira, de 29 anos, um dos voluntários. Nessa terça-feira (15), um grupo de bombeiros civis da cidade de Oliveira também esteve no município e procurou pela criança na zona rural, sem sucesso.

O padrasto de Ana Clara, um homem de 27 anos, foi preso por apresentar Carteira Nacional de Habilitação (CNH) falsa. Ele nega qualquer envolvimento com o sumiço da menina.

A comoção tomou conta da população, que se empenha em ajudar a família. “Eu tenho uma sobrinha de 4 anos e me coloquei no lugar da mãe. Já estão falando que acharam ela morta, mas até agora nada de achar”, contou a técnica de segurança Estayne Rodrigues, de 21 anos.

 O desaparecimento

A Polícia Militar (PM) fez buscas pela criança na noite do sábado, mas nenhuma pista do paradeiro dela foi encontrada. “A família ligou para gente e a mãe alegou que por volta das 15h, 15h20, a menina estava na sala vendo televisão, e a mãe foi para a área de serviço lavar roupa. Por volta de 18h, ela sentiu falta da menina e não a achou na casa. Ligou para o padrasto, que logo chegou em casa, mas, por volta de 15h, ele também havia saído de casa, no mesmo horário que a menina teria sumido”, lembrou o sargento Alisson Oliveira, da 59ª Companhia da Polícia Militar (PM).

A dona de casa Marciana Pereira da Cruz, de 23 anos, mãe de Ana Clara, contou que a filha pediu para ir à casa de uma coleguinha brincar e ela não deixou. Com a resposta negativa, a menina sentou no sofá, emburrada. Esta foi a última vez que ela viu a filha. “Eu fui lavar roupa e o meu companheiro disse que ia sair. Mais tarde, fui olhar o bebê (um menino de 8 meses) que tinha acordado e eu vi que ela não estava em casa. Eu não me preocupei, porque ela sempre vai na casa dos vizinhos. Fiz o bebê dormir, terminei de lavar a roupa, fiz janta e depois fui procurar por ela para tomar banho e jantar. Foi aí que comecei a ficar desesperada, porque ninguém sabia dela”, detalhou a mãe.

Segundo Marciana, a filha é muito ativa e conversa com todo mundo, porém, não saía de casa sem avisar. A família mora no endereço há cerca de cinco meses e a jovem garante que tem um bom relacionamento com o pai de Ana Clara. “A gente quase não se vê, mas a gente conversa. Ele está ajudando a procurar”, afirmou.

De acordo com a Polícia Civil, a mãe e o padrasto prestaram depoimento e ele foi detido em flagrante, porque apresentou documento falso no momento da identificação. Depois, foi pedida e concedida a prisão temporária dele (por 30 dias), já que a polícia desconfia da participação do homem no sumiço da criança. As buscas continuam.

Quem tiver alguma pista sobre o paradeiro de Ana Clara pode entrar em contato com a Polícia Civil pelo telefone 0800 28 28 197.

 

Fonte: O Tempo ||http://www.otempo.com.br/cidades/desaparecimento-de-crian%C3%A7a-mobiliza-for%C3%A7a-tarefa-em-carmo-da-mata-1.1399793

Imprimir

Comentários