No dia 15 deste mês  celebra-se o dia nacional do homem. A data tem o propósito de chamar a atenção da sociedade para problemas e circunstâncias que possam atingir, em especial, o sexo masculino.

A data foi proposta pela Ordem Nacional dos Escritores em 1992. Desde esse ano, as atenções para tal data vêm se tornando crescentes, sobretudo por parte de autoridades políticas e por núcleos de especialistas na saúde do homem. Em se tratando do tema da saúde do homem, o médico Jerome Teelucksingh, de Trinidad e Tobago, tendo em vista exatamente pôr em destaque a saúde do gênero masculino à comunidade internacional, propôs à Organização das Nações Unidas (ONU), em 1999, que fosse criado um dia para tal objetivo.

O dia escolhido foi 19 de novembro. Desde o início do século XXI, muitas campanhas vêm sendo feitas em vários países com o objetivo de conscientizar os homens da importância de cuidarem de seu corpo e de sua saúde. Um exemplo desse tipo de conscientização diz respeito ao câncer de próstata, que atinge grande parcela da população masculina de todo o mundo. Outras doenças relacionadas com o uso do tabaco e de bebidas alcoólicas também são colocadas em questão na oportunidade desse dia.

Outro dos objetivos da reflexão que propõe o Dia do Homem é a igualdade entre os gêneros masculino e feminino. O alvo principal dessa proposta é a mudança de comportamento com relação a muitas posturas colocadas, tanto por condutas machistas quanto por condutas do radicalismo feminista, que tendem a restringir o debate da valorização profissional e social da mulher e do papel fundamental que o homem desempenha nesse processo.

Além disso, há ainda a discussão sobre o paradigma do homem contemporâneo, que já não segue o mesmo padrão comportamental do século passado, nem em seu seio familiar nem em seu trabalho ou na convivência com círculos de amigos, etc.

Sendo assim, tanto o dia 15 de julho quanto o dia 19 de novembro são situações oportunas para esse tipo de reflexão.

Doenças que mais afetam os homens

Um dado alarmante e assustador para os homens é a taxa de mortalidade entre adultos: a cada três pessoas adultas que morrem, duas são homens. O tempo de vida masculino é 7,6 vezes mais curto quando comparado com o tempo das mulheres. O motivo para estes dados é pelo fato de que homens não cuidam tanto da saúde quanto as mulheres.

Eles vão menos ao médico e não têm o costume de realizar exames preventivos, o que facilita a evolução das doenças que, muitas vezes, poderiam ser evitadas como:

Doenças cardiovasculares

As doenças cardiovasculares são um dos problemas que mais afetam os homens. Elas são responsáveis por mais de 30% das mortes registradas no Brasil, das vítimas mais de 60% são homens. As principais causas das doenças cardiovasculares são a falta de exercícios, o alto consumo de gordura, açúcares, álcool e tabagismo.

Esses maus hábitos desencadeiam doenças como infarto, acidente vascular cerebral, arritmia cardíaca e o acúmulo de placas de gordura nas artérias.

Obesidade e diabetes

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), a obesidade de homens cresce aceleradamente a cada ano. No Brasil, o percentual de homens já é maior do que 15%.

O sobrepeso e obesidade são fatores de risco para a diabetes. Além da diabetes, o excesso de glicose pode ocasionar acidentes vasculares cerebrais, cegueira, problemas cardíacos e insuficiência renal.

Declínio hormonal

O avançar da idade e a chegada dos 40 anos é quando os sintomas começam a aparecer, isso, porque a produção de hormônio masculino começa a reduzir naturalmente. O problema pode ocasionar a disfunção erétil, perda de peso, fadiga e depressão.

Câncer de próstata

Uma das doenças que mais atinge homens no Brasil, o câncer de próstata, é silenciosa e sem sintomas no início. Se diagnosticada no começo, as chances de cura são maiores.

A melhor forma é a prevenção. Vá ao médico periodicamente e faça os exames necessários para ficar de bem com a saúde! Além disso, manter uma alimentação saudável, com menos gorduras e açúcares e uma rotina de exercícios ajudam na prevenção das doenças citadas.

 

 

 

Fonte: Com portais de notícias ||

Imprimir

Comentários