Descobertas científicas tornam a luta contra o diabetes cada vez mais eficaz. Segundo novo estudo britânico, praticar exercícios por cerca de 30 minutos por semana pode prevenir a doença.
A pesquisa, realizada por cientistas da Universidade de Bath, no Reino Unido, acompanhou o desempenho físico e as condições de saúde de voluntários, ao longo de seis semanas.
Durante três dias na semana, o total de cada sessão de exercícios chegou a dez minutos diários – contando o aquecimento e o alongamento – do tempo de cada indivíduo. Apesar dos curtos períodos, a melhora na função da insulina dos voluntários foi de 28%, segundo o departamento de saúde da universidade.
Sem contar com o tempo de aquecimento e alongamento, os voluntários foram instruídos a completar ciclos de 20 segundos de exercício, em uma bicicleta ergométrica. Esse aparelho foi equipado com instrumentos que aumentam a resistência dos pedais, fazendo com que as pessoas exercitassem em uma intensidade maior que a esperada.
Acúmulo
Os pesquisadores explicam que o diabetes tipo 2 surge a partir da redução da função da insulina devido ao acúmulo de açúcar no sangue – muitas vezes consequência do sedentarismo. Por isso, a melhor forma de controle da doença é a prática de exercícios.
Para que o organismo possa fazer a queima do glicogênio – o açúcar que é a reserva de energia dos músculos -, nas sessões curtas em alta intensidade desenvolvidas no estudo, 20 segundos foram equivalentes a uma hora de exercício moderado.
O pesquisador responsável pelo estudo, Niels Vollaard, explica que o sedentarismo faz com que as pessoas não passem pelo processo de reposição do açúcar. Como os músculos não precisarão repor o açúcar, as pessoas podem acabar se tornando insensíveis à insulina, disse o cientista.
Segundo os estudiosos, a intenção da pesquisa não era provar que o exercício ajuda na prevenção da doença – algo que é verdade para a comunidade científica. O objetivo era desenvolver formas rápidas e práticas de exercício que fossem eficientes, uma vez que grande parte da população conhece os perigos do sedentarismo, mas não consegue se livrar da preguiça ou encontrar tempo para a prática de atividades físicas.

Imprimir