Viver em um estado que não tem nem fronteiras estrangeiras e nem acesso ao mar é uma coisa. Outra coisa  é viver na fronteira e, em especial, hoje, nas fronteiras com a Venezuela, de onde vêm milhares de pessoas fugindo da fome, enfrentando o desespero e a falta de emprego. Sim, os venezuelanos estão fugindo e vindo para Brasil. Os retratos de lutas nas ruas de Caracas e de falta de alimentos no país todo são a realidade que o social-bolivarianismo criou para o seu povo. Estranhar o que esta acontecendo na riquíssima Venezuela em minerais e petróleo é ignorar o que acontecia desde que Hugo Chavez assumiu o poder há 18 anos. O truculento Maduro, que o sucedeu, só pegou o estado venezuelano quebrado porque na época de Chávez o preço do petróleo, único bem exportável do país, estava, como o preço de outras matérias primas, lá nas alturas, e agora não vale nem a metade do que valia naquela época.

O Brasil aproveitou bem a amizade com Chávez e nossas empreiteiras fizeram um verdadeiro bacanal nos negócios por lá. Uma empresa que de construção de siderúrgica só sabia como faturar algumas vezes mais a remoção de terra, quando fez a terraplanagem da Açominas, construiu uma siderúrgica cinco vezes mais cara do que vale no mercado internacional. E assim foi com inúmeras  obras executadas pelas empreiteiras brasileiras. Mas, quem se incomoda, se o credor desse dinheiro não são as empresas, mas nosso BNDES e outros órgãos similares. O Brasil é que não vai receber e, pelos cálculos bem otimistas, os venezuelanos nos devem mais de 45 bilhões de dólares.

É aí que mora o problema do nosso relacionamento com Caracas. Esse governo, além de ter transformado o país em uma ditadura populista e com grande probabilidade de transformar o conflito social e político em guerra civil, e, sem nos esquecermos,  com o apoio dos governos Lula e Dilma, não vai sair de lá por qualquer meio democrático. Além do mais, é preciso perguntar qual é o papel dos Estados Unidos nessa história. Maior importador de petróleo venezuelano, nada tem a receber do Maduro. Ao contrário, se eles fornecem petróleo em dia e com bons preços, tudo está perfeito. Mas, até quando o governo Trump, que conta com um executivo da indústria petroleira, que inclusive teve um enorme conflito com o governo Chávez e conhece o país, vai olhar isso com calma? E se em um momento de mau humor não diz basta, comigo ninguém brinca, e manda resolver tudo na marra, para dar exemplo de que os Estados Unidos continuam a grande potência que manda na América Latina? Governos muito mais racionais do que este invadiram Granada (ninguém mais sabe onde fica) e pegaram a laço Noriega, presidente narcotraficante, no Panamá. E ficou por isso mesmo.

Nessa história, a declaração dos chanceleres dos países de Mercosul (fundado há 25 anos no governo Itamar Franco, em Ouro Preto), Brasil, que preside o bloco agora, Argentina, Paraguai e Uruguai, suspendendo a Venezuela do bloco, mas deixando as portas abertas para o diálogo, é um sinal de bom senso e uma procura de solução pacifica. A diplomacia brasileira voltou a liderar o processo, difícil, mas único possível para uma solução que evite derramamento de sangue e traga a Venezuela de volta para a comunidade dos países democráticos. Um caminho árduo, porque Maduro, também apoiado pelos chineses que lhe dão suporte financeiro e estão adquirindo suas reservas petrolíferas, quer ser herói nacional e entrar para a história como defensor de um regime falido que empobreceu o país e o levou para a guerra civil. E nessa historia nem falamos dos militares de venezuelanos, hoje treinados pelos cubanos. Em resumo, um futuro bem complexo e ruim para nós, vizinhos daquele país.

IMPRIMIR