Minas já pode ter casos de transmissão comunitária da variante Mu do coronavírus. A informação foi divulgada pelo secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti, durante entrevista coletiva realizada nessa terça-feira (14), em Belo Horizonte. 

Segundo o titular da pasta, é “provável” que o Estado confirme a circulação comunitária da cepa, mas ainda é preciso uma análise com contatos de cada um dos pacientes positivos.

Em Minas, até o momento, sete pessoas foram contaminadas pela mutação identificada inicialmente na Colômbia. São três de Virginópolis e duas de Guanhães, na região Leste. Na última atualização, foram incluídos dois moradores de Braúnas, no Vale do Rio Doce.

Delta preocupa mais

A variante Delta da Covid-19 se espalha cada vez mais por Minas Gerais. Segundo dados da Secretaria de Estado de Saúde (SES), 394 amostras foram identificadas como a mutação originária na Índia até esta terça (14). Até a semana passada, eram 261 ocorrências da cepa no território mineiro, representando um aumento de 50%.

“A Mu tem uma mutação conhecida, que realmente aumenta a transmissibilidade, mas o ponto importante para dizer disso é que o tipo de mutação dela é menos importante que a Delta. Então, a nossa atenção está muito mais na Delta pelo volume de crescimento e tipo de mutação que ela tem”, disse o secretário.

O “aumento exponencial”, como classificou o secretário de Estado de Saúde, preocupa, e pode fazer com que o número de positivos para a cepa ultrapasse o da variante Gama. 

“Ainda se destaca a Gama, que continua sendo, dentro dos estudos nas semanas epidemiológicas, a principal identificada. Mas a Delta vem crescendo. A expectativa é de que a Delta chegue na proporção e até ultrapasse, como aconteceu em outros lugares no mundo. Vemos que a cada semana, a gente quase que dobra o número de Delta. Então chegaria entre duas e três semanas”, concluiu.

Fonte: Hoje em Dia

print
Comentários