Lorene Pedrosa

Para tratar do episódio registrado na noite de terça-feira (20) no Pronto Atendimento Municipal (PAM), o qual classificou como lamentável, o prefeito Eduardo Brás se reuniu no Gabinete Municipal, no início da tarde desta quarta-feira (21), com membros da imprensa da cidade.

Além de narrar os fatos já divulgados pelos veículos de comunicação, sobre a greve iniciada por dois médicos plantonistas, sem aviso prévio, no PAM e sobre a ida dele ao local (a 7ª visita em 15 dias de posse) para determinar a retomada dos atendimentos ao público, Eduardo Brás falou sobre a dívida da Prefeitura com a empresa responsável pelos plantões médicos e sobre decisões que pretende tomar, em breve, para evitar que problemas semelhantes voltem a ocorrer seja no PAM ou em qualquer unidade de saúde pública do município.

Apesar da ilegalidade da suspensão do atendimento sem aviso prévio, já que contraria a lei, um dos pontos abordados foi a situação da administração junto à empresa Ducarmo Serviços Médicos Ltda, responsável pelos plantões médicos no PAM. Segundo Eduardo, ele não tem detalhes sobre dívidas em aberto, mas recentemente foram repassados R$70 mil para a empresa. “Esse pagamento já foi feito por mim, depois que assumi. Não sei precisar sobre a dívida, mas a nota em aberto se vence justamente hoje”. A informação foi confirmada pela procuradora do município, Sandra Micheline que estava presente e garantiu que atualmente, a Prefeitura está adimplente com a referida empresa.

O prefeito esclareceu ainda, que a ação foi isolada e partiu dos médicos do plantão, sendo que um deles, de nome João Marcos, está inclusive em situação irregular, pois trabalha como plantonista e é médico do Programa Saúde da Família, o que não é permitido.

Nas redes sociais, como vem fazendo desde que assumiu e junto a direção da empresa prestadora de serviço durante reunião realizada nesta quarta-feira, o prefeito garantiu que não permitirá que tais profissionais voltem a atuar no PAM, informação repetida durante a coletiva, quando Eduardo afirmou que o médico em situação irregular, que atualmente atua no Posto de Saúde do Centro também terá o contrato rescindido com a administração. “São muitas as reclamações sobre a empresa Ducarmo. No próximo dia 26 está agendada uma licitação para contratação desse serviço e nossa expectativa é de que mais empresas se interessem e possamos fazer um contrato melhor e que corresponda com as necessidades da população que faz tempo, foram deixadas de lado”, complementou o prefeito.

Outras mudanças na saúde

Ainda na terça-feira, Eduardo já havia se reunido com todos os médicos do Programa Saúde da Família de Formiga, quando pediu mais atenção e respeito nos atendimentos e principalmente, cumprimento de horário. “Eles fizeram concurso para cumprir 8h por dia, depois fizeram acordo para diminuir essas horas, mas tem médico que sequer fica meia hora por dia na unidade e isso não será mais admitido. Eles terão que ficar no mínimo 4 horas no posto”, informou.

 Atuação como vice

O prefeito aproveitou a coletiva para responder a um questionamento recorrente de uma parte da população. “Tenho recebido, principalmente pelas ruas, muitos elogios e agradecimentos, mas muitos não entendem porque eu nada fiz enquanto vice. Quero esclarecer que a lei não permite atuação direta do vice. Trata-se de uma expectativa de direito. Sou um reserva que só entra em campo se o titular sair. Agora que aqui estou, não vou me omitir e farei tudo o que estiver ao meu alcance para entregar a gestão da melhor maneira possível nas mãos do próximo prefeito”. explicou Eduardo que informou ainda, que ambos os candidatos ao cargo de prefeito já estiveram na Prefeitura para se inteirarem das atuais condições da administração. “Inclusive me pediram documentos para fundamentarem as respostas no debate que ocorrerá hoje e tudo foi fornecido. Alertei os dois (Eugênio e Reginaldo) ainda, sobre as obras da Estação de Tratamento e a interceptação do esgoto. Essa última custou na época R$10 milhões e como está paralisada, podem pedir de volta  esse valor corrigido – cerca de R$15 milhões. Enfim, atendi a todos os pedidos feitos pelos dois, menos o de apoio, porque minha decisão é de ficar isento, até pelo cargo que ocupo agora”, encerrou o prefeito.

Atualizada às 16h45

print

Comentários