O empresário, de 32 anos, negou que tenha agredido o segurança Edson Carlos Ribeiro, de 42 anos, que morreu durante um evento em Divinópolis. A informação é do delegado da Polícia Civil Renato Alves da Fonseca durante entrevista coletiva nesta segunda-feira (27).

De acordo com o responsável pelas investigações, há versões contraditórias e será feito o levantamento sobre o que ocorreu entre o investigado e o segurança.

“O investigado, no depoimento assistido pelo advogado, nega qualquer agressão física contra a vítima e que tenha dito algo pejorativo com relação à pessoa da vítima. Ele alega que estava participando desta festa e tomou conhecimento da prisão por seguranças que lá trabalhavam e, posteriormente, o acionamento da polícia. Somente na delegacia tomou conhecimento da suspeita contra sua pessoa”, disse o delegado.

O homem teve a prisão preventiva decretada nesse domingo (26) após uma audiência de custódia. Conforme registrado no Boletim de Ocorrência (B.O) da Polícia Militar, testemunhas disseram que o segurança chamou a atenção do empresário, que teria se irritado com a situação. Em seguida, o rapaz o agrediu com golpe usando um soco-inglês. Edson não resistiu e morreu no local.

“Testemunhas alegam que o investigado teria agredido fisicamente a vítima com um golpe e utilizando um soco-inglês Outra testemunha alega que não viu o uso de soco-inglês, embora tenha visto a agressão. Os seguranças que realizaram a detenção do suspeito não localizaram esse instrumento e também não indicaram aos policiais uma possível pessoa que pudesse ter auxiliado a dispensar isso”, acrescentou Renato.

Investigação

A Polícia Civil disse também que nos próximos dias deverá ouvir outras testemunhas, principalmente, a fim de investigar se houve ou não uso de soco-inglês.

O Direito aceita a prova testemunhal, lógico que corroborada com outros resultados, por exemplo, temos que aguardar o resultado do médico legista para verificar se existe lesão no corpo da vítima que possa ser compatível com o uso deste instrumento”, concluiu Renato.

O crime foi registrado pela Polícia Civil como lesão corporal seguido de morte. Segundo Renato, não existem elementos que justifiquem a tipificação como homicídio.

A polícia toma as decisões e tipificação inicial da conduta baseado na Legislação em vigor. O crime de homicídio tem como principal elemento que o caracteriza a vontade inicial do agente, o dolo, a conduta, o resultado. Normalmente quem quer causar a morte de alguém excede dos meios utilizados. E a lesão corporal a conduta também é observada. Neste caso, houve uma discussão verbal, segundo testemunhas, e um soco na vítima e uma separação por terceiros deste atrito. Não houve elemento sobre essa ação ter sido preparada, uso excessivo de agressões para causar a morte”, finalizou.

Sepultamento

O sentimento de tristeza e revolta marcaram o velório do segurança Edson Carlos Ribeiro, de 42 anos, morto após ser agredido durante um evento no Parque de Exposições de Divinópolis. 

Fonte: G1

print
Comentários