Em noite pouco inspirada, Cruzeiro frusta torcida com empate sem gols

Equipe celeste pressionou muito, mas faltou eficiência, além de ter um gol anulado erroneamente no início do jogo

Equipe celeste pressionou muito, mas faltou eficiência, além de ter um gol anulado erroneamente no início do jogo

Para jogar a Copa Libertadores é preciso sangue nos olhos, ter a faca entre os dentes e desejar a vitória acima de qualquer coisa. Nesta noite, o Cruzeiro pecou na maioria desses quesitos e apenas empatou com o Huracán-ARG em 0 a 0, no Mineirão, diante de mais de 25 mil torcedores. Resultado que frustou os planos do torcedor celeste e impediu a Raposa de chegar ao primeiro lugar no Grupo 3 da competição continental.

Para quem achou que a parada seria fácil na segunda rodada do torneio, se surpreendeu com a tranquilidade inicial dos argentinos. Apesar das limitações técnicas, os gringos jogaram bem fechados na defesa e dessa forma seguraram o ímpeto ofensivo do Cruzeiro no primeiro tempo, deixando o gramado para o intervalo sem levar gols. Para manter a ‘meta intacta’, o goleiro Giordano, além de um pouco de sorte, mostrou um estilo de jogo, no mínimo, inusitado. Reserva de Díaz, lesionado, o camisa 22 saia da área de forma esquisita para cortar cruzamentos. E até chegou a fazer uma defesa fácil com a cabeça.

A Raposa foi muito mais incisiva nos primeiros 45 minutos do que o Huracán-ARG. Apesar do volume ofensivo maior e de ter quase 54% de posse de bola, o Cruzeiro não conseguiu transformar sua superioridade em gol. O time celeste até balançou as redes do ?El Globo?, mas o árbitro paraguaio Enrique Cáceres invalidou o lance ao marcar impedimento.

Não sei, ele marcou impedimento. Cabe ver o lance se estava impedido ou não, disse Marquinhos na saída para o intervalo.

E o dono do apito, de acordo com o tira-teima do canal fechado Fox Sports, errou ao invalidar o que seria o primeiro gol estrelado no Mineirão, que recebeu público razoável no segundo compromisso azul na edição 2015 da Libertadores.

Enquanto os jornalistas argentinos se maravilhavam com o Mineirão e faziam anotações para o recomeço do jogo, o técnico Marcelo Oliveira rascunhava sua primeira mudança, que aconteceu logo que iniciou-se o segundo tempo. Saiu Willian e Alisson entrou. O panorama do jogo não mudou muito e o Cruzeiro levou um susto aos 20 minutos, quando Montenegro acertou um chute venenoso e quase enganou Fábio, traído pelo toque da bola no zagueiro Léo. A Resposta veio 11 minutos depois, com Leandro Damião acertando o travessão de Giordano.

print
Comentários

Sobre o autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Em noite pouco inspirada, Cruzeiro frusta torcida com empate sem gols

Equipe celeste pressionou muito, mas faltou eficiência, além de ter um gol anulado erroneamente no início do jogo.

Equipe celeste pressionou muito, mas faltou eficiência, além de ter um gol anulado erroneamente no início do jogo.

 

Para jogar a Copa Libertadores é preciso sangue nos olhos, ter a faca entre os dentes e desejar a vitória acima de qualquer coisa. Nesta noite, o Cruzeiro pecou na maioria desses quesitos e apenas empatou com o Huracán-ARG em 0 a 0, no Mineirão, diante de mais de 25 mil torcedores. Resultado que frustou os planos do torcedor celeste e impediu a Raposa de chegar ao primeiro lugar no Grupo 3 da competição continental.

Para quem achou que a parada seria fácil na segunda rodada do torneio, se surpreendeu com a tranquilidade inicial dos argentinos. Apesar das limitações técnicas, os gringos jogaram bem fechados na defesa e dessa forma seguraram o ímpeto ofensivo do Cruzeiro no primeiro tempo, deixando o gramado para o intervalo sem levar gols. Para manter a ‘meta intacta’, o goleiro Giordano, além de um pouco de sorte, mostrou um estilo de jogo, no mínimo, inusitado. Reserva de Díaz, lesionado, o camisa 22 saia da área de forma esquisita para cortar cruzamentos. E até chegou a fazer uma defesa fácil com a cabeça.

A Raposa foi muito mais incisiva nos primeiros 45 minutos do que o Huracán-ARG. Apesar do volume ofensivo maior e de ter quase 54% de posse de bola, o Cruzeiro não conseguiu transformar sua superioridade em gol. O time celeste até balançou as redes do “El Globo”, mas o árbitro paraguaio Enrique Cáceres invalidou o lance ao marcar impedimento.

“Não sei, ele marcou impedimento. Cabe ver o lance se estava impedido ou não”, disse Marquinhos na saída para o intervalo.

E o dono do apito, de acordo com o tira-teima do canal fechado Fox Sports, errou ao invalidar o que seria o primeiro gol estrelado no Mineirão, que recebeu público razoável no segundo compromisso azul na edição 2015 da Libertadores.

Enquanto os jornalistas argentinos se maravilhavam com o Mineirão e faziam anotações para o recomeço do jogo, o técnico Marcelo Oliveira rascunhava sua primeira mudança, que aconteceu logo que iniciou-se o segundo tempo. Saiu Willian e Alisson entrou. O panorama do jogo não mudou muito e o Cruzeiro levou um susto aos 20 minutos, quando Montenegro acertou um chute venenoso e quase enganou Fábio, traído pelo toque da bola no zagueiro Léo. A Resposta veio 11 minutos depois, com Leandro Damião acertando o travessão de Giordano.

Redação do Jornal Nova Imprensa O Tempo

Comentários

Sobre o autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Últimas Notícias