A seleção brasileira derrotou a Suécia por 3 a 0 na última quarta-feira (15), quatro dias depois de perder a final olímpica, num amistoso que marcou a despedida do estádio Rasunda, onde o Brasil conquistou seu primeiro título mundial, em 1958, contra os donos da casa. Antes da partida, os atletas da decisão de 58 foram homenageados e alguns, incluindo Pelé, que tinha 17 anos naquela Copa, estiveram no estádio. Os jogadores do Brasil entraram em campo com uma réplica da camisa usada na época. Pelé, Pepe, Mazzola e Zito tiveram ainda um encontro com a rainha Silvia, que ofereceu um jantar de gala em tributo aos jogadores de 1958. Mas o fato que mais chamou a atenção nos bastidores foi um comportamento bem peculiar de jogadores que só se preocupam com a imagem e o dinheiro nos dias atuais, deixando de lado aspectos simples, mas que sempre foram ingredientes importantes para grandes vitoriosos, como a humildade. Jogadores da atual seleção, no alto de seus cabelos e chuteiras coloridas, se recusaram a jogar com um uniforme réplica da camisa de 58, alegando que o tecido da confecção era pesado para a prática do futebol. E pensar que alguns jogadores ?meia-boca? como Pelé, Garrincha e Zito não reclamaram da pobre camisa…
Com sabor de vitória
Na tabela, o empate contra o Fluminense pode ter representado a queda do Cruzeiro em uma posição. Mas, dentro de campo, a equipe cruzeirense mostrou um bom futebol e fez uma de suas melhores partidas na temporada, mesmo não conquistando a vitória. Diante da forte equipe do Fluminense, que entrou na rodada como vice-líder, o Cruzeiro foi para cima, marcou bem, foi insinuante e só não saiu de campo com os três campos porque o árbitro Paulo Henrique Godoy Bezerra cometeu diversos erros, entre eles a não marcação de um pênalti em cima de Everton, passível de expulsão para o defensor da equipe carioca, quando o Cruzeiro vencia o jogo por 1 a 0. Entre jogadores e torcida, a performance da equipe criou esperanças de uma boa sequência no campeonato. A Raposa enfrenta o Coritiba neste domingo, 16h, fora de casa.
Com sabor de derrota
Por outro lado, o Atlético, melhor equipe em todos os quesitos no certame, também empatou em 1 a 1 contra o seu xará goianiense, fora de casa. No entanto, o sabor foi de derrota, pois a equipe mineira, bem superior tecnicamente, jogou com um atleta a mais desde os 20 minutos do primeiro tempo, quando o volante da equipe goiana Joílson foi expulso. Em um jogo de linha contra defesa, o Galo carimbou três bolas na trave, pecou nas finalizações e perdeu a oportunidade de abrir preciosos pontos sobre Vasco e Fluminense. De quebra, perdeu dois jogadores por suspensão: Guilherme e Marcos Rocha não enfrentam o Botafogo neste domingo, em BH.

print
Comentários