Em quatro meses, conta de luz da Cemig deve subir 70%

Novo reajuste será divulgado hoje e soma-se a outros três já concedidos desde o início do ano.

Novo reajuste será divulgado hoje e soma-se a outros três já concedidos desde o início do ano.

Em menos de quatro meses, a conta de luz da Cemig deve acumular uma alta média de 70%. A estimativa é do consultor Fernando Umbria, da LPS Consultoria Energética, que leva em consideração os reajustes já concedidos (implantação e aumento no valor das bandeiras tarifárias e reajuste extraordinário) e a projeção do reajuste anual que será anunciado hoje pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) que começa a vigorar já a partir de amanhã.
Usando uma plataforma online que acompanha a evolução dos gastos das distribuidoras, Umbria estima que o reajuste anual da Cemig fique em 17%. Como esse aumento será concedido sobre uma tarifa já inflada pelos reajustes anteriores, o acumulado chegará a 70%, em média, sendo 53% para consumidores residenciais e 95% para a indústria. ?Esta comparação é em relação ao que o consumidor pagava em 31 de dezembro de 2014?, explica ele.
Outros analistas de mercado já estimaram que a nova alta da conta da Cemig deve ser entre 10% e 15%, também aplicados sobre os reajustes que já estão vigorando. Em janeiro, o governo implantou o sistema de bandeiras, uma taxa aplicada sempre que o custo de geração subir. Em março, a taxa subiu 83%. A cor da bandeira é definida mensalmente e, nos quatro primeiros meses do ano, a bandeira foi vermelha, o que indica custo máximo de geração. Os analistas acreditam que a situação será a mesma até dezembro.
Em março, a Aneel concedeu um reajuste extraordinário de 28,8% no caso da Cemig para cobrir, principalmente, despesas que antes eram cobertas pelo Tesouro Nacional. A última vez que o órgão regulador concedeu reajuste extraordinário havia sido em 2002, depois do racionamento de energia. Na época, o percentual extra foi de 8%.
Silêncio. Até o ano passado, a Aneel divulgava com 15 dias de antecedência o pedido de reajuste feito pelas distribuidoras de energia. Neste ano, a agência mudou a regra e não torna o pedido público. Em anos anteriores, o pleito da Cemig foi sempre acima do concedido pela agência.
Aprovado
O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, sem restrições, a compra Furnas de 50% das ações da Transenergia Goiás. Agora, Furnas terá 99% das ações.

Imprimir

Sobre o Autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Em quatro meses, conta de luz da Cemig deve subir 70%

Novo reajuste será divulgado hoje e soma-se a outros três já concedidos desde o início do ano.

Novo reajuste será divulgado hoje e soma-se a outros três já concedidos desde o início do ano.

 

Em menos de quatro meses, a conta de luz da Cemig deve acumular uma alta média de 70%. A estimativa é do consultor Fernando Umbria, da LPS Consultoria Energética, que leva em consideração os reajustes já concedidos (implantação e aumento no valor das bandeiras tarifárias e reajuste extraordinário) e a projeção do reajuste anual que será anunciado hoje pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) que começa a vigorar já a partir de amanhã.

Usando uma plataforma online que acompanha a evolução dos gastos das distribuidoras, Umbria estima que o reajuste anual da Cemig fique em 17%. Como esse aumento será concedido sobre uma tarifa já inflada pelos reajustes anteriores, o acumulado chegará a 70%, em média, sendo 53% para consumidores residenciais e 95% para a indústria. “Esta comparação é em relação ao que o consumidor pagava em 31 de dezembro de 2014”, explica ele.

Outros analistas de mercado já estimaram que a nova alta da conta da Cemig deve ser entre 10% e 15%, também aplicados sobre os reajustes que já estão vigorando. Em janeiro, o governo implantou o sistema de bandeiras, uma taxa aplicada sempre que o custo de geração subir. Em março, a taxa subiu 83%. A cor da bandeira é definida mensalmente e, nos quatro primeiros meses do ano, a bandeira foi vermelha, o que indica custo máximo de geração. Os analistas acreditam que a situação será a mesma até dezembro.

Em março, a Aneel concedeu um reajuste extraordinário de 28,8% no caso da Cemig para cobrir, principalmente, despesas que antes eram cobertas pelo Tesouro Nacional. A última vez que o órgão regulador concedeu reajuste extraordinário havia sido em 2002, depois do racionamento de energia. Na época, o percentual extra foi de 8%.

Silêncio. Até o ano passado, a Aneel divulgava com 15 dias de antecedência o pedido de reajuste feito pelas distribuidoras de energia. Neste ano, a agência mudou a regra e não torna o pedido público. Em anos anteriores, o pleito da Cemig foi sempre acima do concedido pela agência.

 

Aprovado

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, sem restrições, a compra Furnas de 50% das ações da Transenergia Goiás. Agora, Furnas terá 99% das ações.

Redação do Jornal Nova Imprensa O Tempo

Sobre o Autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Deixe um comentário!

Atenção! Os comentários do portal Últimas Notícias são via Facebook, se deseja comentar esteja logado. Lembre-se que os comentários são de inteira responsabilidade dos autores e não representam a nossa opinião.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!