A Polícia Civil, por meio de investigação feita pela equipe do delegado de Crimes Contra o Patrimônio, Dr. Danilo César Basílio Souza, praticamente já comprovou o envolvimento de empresários na tentativa de aplicação de golpe contra seguradoras.
Durante o desenrolar das investigações, concluiu-se que um dos empresários teria lavrado um boletim de ocorrência no dia 6 de abril, relatando que seu veículo, Toyota Hilux-SW4 se encontrava estacionado na tarde daquele mesmo dia na avenida Rio Branco, teria sido furtado. Com o boletim de ocorrência registrado, a Polícia ?caiu em campo? para esclarecer e tentar recuperar o veículo.
O delegado responsável pelo caso, ao dar prosseguimento às investigações constatou que das declarações fornecidas pelo empresário, deduziu-se haver informação controversa e, na continuidade das investigações, acabou surgindo um outro envolvido no caso. Ao ser ouvido, este relatou que havia um terceiro comparsa, para ele, o idealizador e responsável pela trama.
O terceiro (artista), ao ser ouvido, confessou que realmente a articulação foi feita entre os três. Era real, mas no entanto, não esclareceeu qual deles tinha o ?mérito? da autoria. Como filho feio não tem pai, cada um deles, como era de se esperar, contou ao delegado, separadamente, uma história diferente, de acordo com as suas convicções.
Para os investigadores, os suspeitos, ao perceberem que a trama seria descoberta e, provavelmente, tendo se comunicado entre si, trataram de procurar uma saída mais honrosa, que não os incriminasse diretamente. Assim sendo, dois deles compareceram à delegacia na quinta-feira (18) e comunicaram que o veículo havia sido encontrado por eles, na noite de quarta-feira (17), na cidade de Arcos.
Porém, não se deram ao trabalho de avisar a polícia sobre a recuperação do veículo, tão logo essa se deu. Segundo relato de um dos envolvidos, a coisa se deu de maneira muito simples e até certo ponto corriqueira: ele simplesmente entrou no veículo e o trouxe de volta à cidade de Formiga. Não há informações se a chave utilizada estava no painel e se na hora do furto, o condutor do veículo se valeu de cópia de chave ou se fez ligação direta, o que em veículos importados, é quase impossível de ocorrer.
O delegado, diante dos fatos apurados, determinou a apreensão do veículo até a conclusão das investigações, pois verificou de imediato, não haver sinais de arrombamento no referido veículo, o que chamou a atenção da equipe de investigação.
Agora, em liberdade, os ?importantes e mais que conhecidos empresários?, aguardam a conclusão das investigações que certamente irão apurar o grau de envolvimento de cada um deles na aplicação, ou não, deste frustrado golpe e, se há mais envolvidos no caso ou quem sabe, outras tentativas anteriores, que diferentemente desta, possam ter logrado êxito.

print
Comentários