Empresas envolvidas na operação Lava Jato declaram falência

Uma das construtoras citadas nas investigações, a Engevix, enfrenta um cenário de dívidas e problemas de gerenciamento

Uma das construtoras citadas nas investigações, a Engevix, enfrenta um cenário de dívidas e problemas de gerenciamento

Após a onda de denúncias sobre o esquema de corrupção na Petrobras, a situação econômica das empreiteiras envolvidas ficaram comprometidas. As investigações da Operação Lava Jato dificultaram a obtenção de crédito para o gerenciamento das construtoras que foram citadas pela Polícia Federal.
Uma das afetadas, a Engevix está em processo de falência na Vara Cível de Barueri, no interior de São Paulo. Segundo informações do jornal O Globo, uma dívida de R$ 895 mil fez com que a empresa Locar Transportes Técnicos e Guindastes Ltda solicitasse pedido de falência na Justiça.
Ainda segundo o jornal carioca, a Engevix analisa uma possível solicitação de recuperação judicial. Entretanto, o receio de piora no quadro financeiro faz com que a empresa recue por enquanto.
A falência da empresa pode gerar um efeito em cascata, afetando outras empreiteras envolvidas nas investigações da Lava Jato. Além disso, o bloqueio cautelar imposto pela estatal às licitações de companhias só complica o quadro.
Após as denúncias, a prisão de executivos das empreiteiras OAS, Engevix, Mendes Júnior, UTC e Camargo Corrêa, em novembro do ano passado, provocou atraso em obras e no pagamento de dívidas das empresas com os bancos. Em novembro do ano passado, a Justiça Trabalhista chegou bloquear R$ 126 milhões em ativos da Petrobras para garantir o pagamento de dívidas trabalhistas de empresas que participam da construção da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco.

Imprimir

Sobre o Autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Empresas envolvidas na operação Lava Jato declaram falência

Uma das construtoras citadas nas investigações, a Engevix, enfrenta um cenário de dívidas e problemas de gerenciamento.

Uma das construtoras citadas nas investigações, a Engevix, enfrenta um cenário de dívidas e problemas de gerenciamento.

 

Após a onda de denúncias sobre o esquema de corrupção na Petrobras, a situação econômica das empreiteiras envolvidas ficaram comprometidas. As investigações da Operação Lava Jato dificultaram a obtenção de crédito para o gerenciamento das construtoras que foram citadas pela Polícia Federal.

Uma das afetadas, a Engevix está em processo de falência na Vara Cível de Barueri, no interior de São Paulo. Segundo informações do jornal “O Globo”, uma dívida de R$ 895 mil fez com que a empresa Locar Transportes Técnicos e Guindastes Ltda solicitasse pedido de falência na Justiça.

Ainda segundo o jornal carioca, a Engevix analisa uma possível solicitação de recuperação judicial. Entretanto, o receio de piora no quadro financeiro faz com que a empresa recue por enquanto.

A falência da empresa pode gerar um efeito em cascata, afetando outras empreiteras envolvidas nas investigações da Lava Jato. Além disso, o bloqueio cautelar imposto pela estatal às licitações de companhias só complica o quadro.

Após as denúncias, a prisão de executivos das empreiteiras OAS, Engevix, Mendes Júnior, UTC e Camargo Corrêa, em novembro do ano passado, provocou atraso em obras e no pagamento de dívidas das empresas com os bancos. Em novembro do ano passado, a Justiça Trabalhista chegou bloquear R$ 126 milhões em ativos da Petrobras para garantir o pagamento de dívidas trabalhistas de empresas que participam da construção da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco.

Redação do Jornal Nova Imprensa O Tempo

Sobre o Autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Deixe um comentário!

Atenção! Os comentários do portal Últimas Notícias são via Facebook, se deseja comentar esteja logado. Lembre-se que os comentários são de inteira responsabilidade dos autores e não representam a nossa opinião.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!