A presidente Dilma Rousseff destacou nesta quarta-feira que o Brasil deu um salto nas ações envolvendo o setor elétrico e hoje já se aproxima da universalização da eletricidade para a população.
O Brasil está fazendo algo que só pode ser feito por países que fizeram duas coisas: que investiram em hidreletricidade e que investiram na universalização para todos afirmou a presidente durante inauguração da usina hidrelétrica de Estreito, no Maranhão.
Dilma disse que o Brasil tinha uma coisa que a incomodava muito e que a deixava até envergonhada. Vivíamos em um país muito grande e muita gente vivia sem energia elétrica, lembrou a presidente, relatando ações que o governo fez para levar eletricidade a essa população.
Segundo a presidente, hoje o país está em um momento que mostra que é possível crescer e distribuir renda, manter a austeridade e, ao mesmo tempo, investir. ?É possível manter empregos mesmo quando a crise bate forte no mundo e nos atinge de alguma forma. A presidente Dilma afirmou ainda que o País vai continuar crescendo e disse que, para isso, é preciso ser competitivo e a energia elétrica é um fator de competitividade.
Dilma Rousseff destacou que a hidreletricidade dura mais do que o investimento feito na usina e voltou a falar sobre o futuro: Quando eu tiver 99 anos, essa usina terá 35. E quando (a usina) tiver 35, através da tarifa, o Brasil já pagou essa usina, disse.
Todos nós pagamos. Então, podemos fazer duas coisas: transferir isso que pagamos pelas tarifas, isso está em contrato não é invenção da minha cabeça. Findos os 35 anos, volta para quem? Para o poder concedente que é o governo federal. O governo pode, a seu critério, achar que precisa de mais um tempo. Mas o correto é devolver para a população porque ela pagou.
A presidente lembrou que o País vem de um ciclo de respeito a contrato. Há 20 anos, o Brasil não rompe contrato. Há 20 anos olha o contrato porque palavra dada é palavra empenhada. É por isso que podemos reduzir a tarifa de energia elétrica. Estamos concluindo a universalização. Pagamos toda a universalização. Então, uma parte do que a gente recolhia para fazer isso estamos devolvendo para o povo. É por isso que vamos reduzir a conta de luz em janeiro, disse.

print
Comentários