Na segunda-feira (5) um cidadão formiguense, entrou em contato com a redação do jornal Nova Imprensa e denunciou que a falta de funcionários na Farmácia Municipal estaria dificultando o atendimento ao público.
De acordo com o denunciante, Nilson da Silva Pedroso, ele foi até a Farmácia Municipal com uma receita médica em mãos e com uma ordem judicial que determinava o fornecimento de determinado medicamento. Lá, ele foi informado de que a responsável pelo recebimento das receitas não se encontrava.?Os remédios são para o meu sobrinho que toma cerca de 13 medicamentos diferentes. Por ter uma ordem judicial, a receita tem prazo de validade, por isso fui até a farmácia para entregar a receita e buscaria os remédios no outro dia, já que lá tem um anúncio avisando que a entrega de remédios ocorre nas terças, quartas e quintas-feiras. Só que não tinha nenhum profissional autorizado para receber a receita?, explicou.
Uma equipe do jornal se dirigiu para a farmácia em busca de mais informações a respeito e para ouvir a outra parte envolvida. Assim que os funcionários da farmácia foram informados sobre o assunto eles entraram em contato com a funcionária responsável que, realmente, naquele momento, não se encontrava no recinto. Ao saber da presença da imprensa, ela que estava trabalhando na sede da Secretaria de Saúde, no edifício Antônio Vieira, pediu que Nilson Pedroso fosse ao seu encontro, na secretaria, e levasse consigo a tal receita.
A equipe do jornal constatou que na farmácia existe afixada na parede a informação de que os medicamentos, só serão entregues as terças, quartas e quintas, mas, intui-se que os pedidos para a obtenção dos mesmos, assim como a entrega das respectivas receitas que os prescrevem, possam ser entregues nos demais dias da semana, até porque esta é a única forma de abreviar-se o processo em favor dos pacientes.
No entender de Nilson, a funcionária que prestava serviços internos na Secretaria deveria estar atendendo na Farmácia Municipal, já que ali, conforme se comprovou ninguém a substituía no atendimento à ?clientela?.
A equipe do jornal entrou em contato com a Secretaria de Comunicação para obter informações que pudessem justificar a ausência da funcionária e recebeu a seguinte resposta:
?Na Farmácia Municipal, há 12 funcionários para receber a receita e efetuar a pronta entrega da medicação. Na farmácia de alto custo, há quatro funcionários que recebem as receitas e enviam ao Ministério da Saúde para que o governo federal envie as medicações. Não há nenhum funcionário que tenha sido direcionado para cumprir seus serviços na Secretaria de Saúde. Fazendo parte do processo de trabalho da Farmácia Municipal de alto custo, todos os funcionários podem ter de ir uma vez ou outra à Secretaria de Saúde para melhor atender à população?.
Ao tomar conhecimento da resposta da Prefeitura, Nilson Pedroso, não concordou e levantou as seguintes questões:1 – Se há 12 funcionários na farmácia, por que nenhum deles recebeu a receita, e por que lhe disseram que apenas uma pessoa receberia as mesmas?
2 ? Por que então, os funcionários não souberam informar o paradeiro da funcionária?
3 ? Se é mesmo necessário que vez por outra ela cumpra alguma tarefa fora daquele local, (serviços internos) por quais motivos não destacam um funcionário sequer para substituí-la e atender a população?

Nota da redação: Tomando por base esta e outras respostas normalmente encaminhadas pela comunicação oficial, (confiram o conteúdo da mesma), acreditamos que as indagações de Nilson ficarão sem respostas, já que provado está que, na visão da administração municipal, tudo está funcionando muito bem.

Imprimir
Comentários