O secretário de Obras e engenheiro, Flávio Passos (Foto: Reprodução UN)

Paulo Coelho

Com o aumento das reclamações da população em busca de solução para velhos problemas que assolam a cidade, como a falta de calçamento de ruas onde este serviço já deveria estar concluído desde 2016; a precariedade das vias da cidade e das estradas rurais; dentre outras questões como a conclusão da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) e as obras de revitalização das margens do Rio Formiga, cuja realização de um estudo de viabilidade foi noticiada essa semana. Buscando conhecer melhor o planejamento da Secretaria de Obras, responsável pela solução de todas essas demandas, o Nova Imprensa entrevistou na quarta-feira (19), com exclusividade e no formato “bate e volta”, o secretário Flávio Passos.

Revitalização das margens do Rio Formiga

UN: Essa semana foi divulgado em nota oficial, que a empresa Maccaferri enviará, gratuitamente, funcionário ao município para estudar a viabilidade de um estudo para a revitalização. Porém, esse trabalho já vinha sendo feito anteriormente, inclusive por uma funcionária da Gestão Ambiental. Será este o mesmo estudo? Em que se difere do trabalho anterior?

Secretário: A meu convite e com a liberação da empresa Maccaferri, um conhecido meu, o engenheiro civil Paulo César Pinto, fará, gratuitamente, esse estudo de viabilidade do projeto que poderá vir a ser desenvolvido futuramente no município; e esse estudo é importante até para o desenvolvimento desse projeto e para que, posteriormente, busquemos recursos para a sua viabilização. A Maccaferri é uma empresa fornecedora de caixas de gabião, não é empreiteira. O interesse dela [empresa], lá na frente, é vender material para a empreiteira que ganhar o processo de licitação e isso, se esse projeto for mesmo realizado. É importante dizer ainda, que o engenheiro está fazendo esse trabalho como pessoa física, ele é meu amigo.

Já o projeto anteriormente elaborado por funcionários do município, visava recompor a margem toda com gabião! Hoje é sabido que, primeiro nós teremos problemas com o meio ambiente, ou seja, o projeto que a gente pediu pra ele (engenheiro) estudar é sobre a viabilidade e uso de gabião, colchão reno em parte do fundo do rio, para proteger o gabião e o talude. Ou seja, esse gabião vai ser mais baixo, mais barato e a recomposição do talude vai ser feita com grama que vai ser definida e especificada para tal.

Sobre a execução de obras (já licitadas) em 19 ruas do município

UN: Em que passo está o serviço que ficou a cargo da empresa Niemeyer e já deveria estar concluído desde 2016?

Secretário: Na segunda-feira (17), já estávamos em contato com a empresa que está voltando à atividade e já foram iniciados alguns serviços de limpeza e preparação das ruas. Espero que, em no máximo em 60 dias, já tenhamos avançado em pelo menos 50% das obras. Estamos priorizando as ruas em situação mais crítica, onde os moradores estão inclusive, com problemas de acessos às garagens. Vale a pena esclarecer que, com relação ao contrato com a Niemeyer, todo esse processo foi um pouco demorado devido ao vencimento do contrato; necessidade de se fazer outro aditivo e tivemos problema de aporte financeiro, já que a Prefeitura teria que aportar R$90 mil e por fim teve que fazer um aporte de R$300 mil, valores que de imediato, a administração não tinha, e tudo isso demanda tempo.

Operação tapa-buraco

UN: Como os serviços serão realizados na cidade?

Secretário: Estamos em processo de licitação. Nós vamos fazer essa operação com especificações bem detalhadas com recorte, recomposição de base e pavimentação. Em outras ruas que, por motivo de estrutura, não será possível esse tratamento, será licitado o fornecimento de massa asfáltica para se fazer essas correções. Esperamos que, em no máximo em 60 dias, esses processos se encerrem para começarem os trabalhos.

Recuperação de estradas rurais

UN: Como está o andamento dos serviços?

Secretário: Nós estamos trabalhando nesta semana na região da Comunidade Rural de Albertos. É importante dizer que nós finalizamos a manutenção em equipamentos que estavam parados e espero que, no mais tardar em um mês, a gente já tenha um parque de equipamentos com, pelo menos 60% de nossas máquinas em condições de uso.

Sobre a região “turística” de Pontevila

UN: O que está sendo feito para melhorar as condições das estradas dessa área que é fundamental para o turismo na cidade, em especial a entrada do distrito?

Secretário: Aquele é um problema pré-existente de drenagem e nós já estamos em contato com o proprietário do loteamento que existe no local, para que ele nos autorize a drenar aquela água, pois foi a única forma que nós encontramos para solucionar o problema, e infelizmente a água terá que passar por dentro desse terreno. Dada a autorização, faremos esse serviço com recursos próprios. Além disso, também será realizada operação tapa-buraco naquela região.

Estação de Tratamento de Esgoto (ETE)

UN: E o andamento das obras?

Secretário: Infelizmente nós estamos com problemas ambientais por causa de licenças vencidas e estamos correndo atrás para renová-las. Eu acredito que até o fim desse ano o serviço não estará pronto. Até porque, nós temos vários outros problemas a resolver antes que a ETE entre em operação, inclusive dentro da cidade. Como por exemplo, a drenagem de água que cai em várias redes de esgoto, o que é um complicador para a operação da estação de tratamento, já que esse excesso de água dificulta a formação das colônias de bactérias necessárias nesse processo de tratamento do esgoto. Temos que resolver esse problema antes do material chegar na ETE para ser tratado.

Pedido final:

Secretário: Por fim, eu gostaria de pedir que a população tenha um pouco mais de paciência, porque estamos tentando arrumar a Casa!

print

Comentários