Quando o governo é justo, o país tem segurança, mas quando o governo cobra impostos demais, a população acaba na desgraça.

Quando há justiça no país, a população acredita no futuro deste, porém, quando esta é falha, a população acaba em desgraça.

Estas frases, parecem feitas sob medida, para um país vizinho ao Paraguai. “Lá”, acontece cada coisa que olhem, até Deus dúvida.

Juan Carlos Ramirez Abadia, cheio da grana, nos anos dois mil, foi uma das pessoas mais procuradas no mundo. Ficando atrás, apenas de Bin Laden. Em agosto de dois mil e sete foi preso e em agosto de dois mil e oito, foi extraditado para os EUA. Os motivos, em conluio com “um tal de Fernandinho”, tramavam o sequestro, do filho de um sem dedo, que governou aquele lugar (pena que não deu certo, quanta grana seria economizada, em fazendas, Ferrari e muitas orgias que, “piiii” o erário daquele país).

E aqui reside o mau daquele país, má administração e uma justiça tendenciosa. Quando há pessoas conhecidas, envolvidas em escândalos, ou pessoas de posses, os processos duram meses, anos, até décadas.

Esta semana ocorreu algo padrãona justiça daquele país vizinho do Paraguai, tendo como base o tempo do processo de Abadia.

Há nove anos, (tempo do processo para ser julgado, em primeira instância) um deputado bêbado (nada demais, naquele país. Lá político pode tudo, tem foro privilegiado), dirigindo um veículo em alta velocidade, segundo o juiz, “voou” sobre um carro e matou seus ocupantes. Neste processo, o réu foi condenado, a pouco mais de nove anos de prisão. Entretanto, devemos ter em mente que o autor da tragédia, não será preso, pois ainda cabe recurso. Só poderá vir a ser apenado, talvez daqui uns nove anos. Segundo o réu, na ação, ele nãoestá se esquivando de nada. Apenas usa algo que é de direito de todos: os tais recursos. Coincidência ou não, um sem dedo, que governou aquele país, também não “tá” atrás das grades, por “mérito” de recursos.

Os crimes de colarinho branco, sempre deram o que falar naquele país, pela demora das sentenças ou, por arquivamento dos processos. Mas a coisa agora está em um patamar em que inocentes morrem todos os dias, exatamente pelo fato de quê, ali os criminosos não são apenados. Desviam fortunas, fazem obras superfaturadas, negociam propinas e outras maracutaias e não pagam por seus crimes. É tanta roubalheira, que um gozador não perdeu a oportunidade; “eita congressinho eficiente aquele, eles mesmos roubam, investigam e absolvem”.

Caso os EUA, não mostrassem interesse em apenar Abadia, muito provavelmente, ele já não estivesse preso, ou quem sabe, o processo, ainda tramitasse em faze recursal. A justiça naquele país, que faz fronteira com o Paraguai, é tão promíscua, que aceita até cartão de crédito, em negociatas. Não precisa ser famoso, podendo pagar, tá bom. Como lembrou o ex-deputado, “u$ei o$ recur$o$ po$$ívei$, dentro da lei”.

“Tá” e o Abadia, com toda aquela grana, porque ele foi extraditado?

Bom, aquilo foi coisa de acordo, entre o país vizinho ao Paraguai e os EUA. E acordos com os EUA, todos sabemos como são feitos, entrega, ou vamos ai buscar, vocês decidem.

A população daquele país vizinho ao Paraguai deveria fazer fotos, vídeos, reclamações, textos, sinal de fumaça, enfim, qualquer coisa, que mostrasse ao mundo, como é a injustiça “lá”. Assim todos ficariam sabendo, que eles não querem este país, para o futuro.

Quem sabe deste modo, a justiça apareça e salve a população, que perece sem recursos.

IMPRIMIR