Jovens com idade entre 15 e 29 anos constituem a maior parcela das mulheres que realizam o aborto inseguro. Este foi um dos dados revelados no dossiê: A realidade do aborto inseguro: O impacto da ilegalidade do abortamento na saúde das mulheres e nos serviços de saúde do estado do Rio de Janeiro.
E é para discutir as consequências do aborto inseguro na vida das mulheres que, nesta segunda-feira (3), ocorre uma audiência pública na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, que tratará sobre a Saúde Reprodutiva das mulheres do Estado do Rio de Janeiro: Uma questão de Direitos Humanos. Na ocasião, o dossiê será lançado e seus resultados apresentados ao público.
O momento é de mobilização, disse a médica sanitarista e pesquisadora do dossiê, Tizuko Shiraiwa. Segundo ela, a ideia é chamar atenção para o problema do aborto em âmbito estadual, trabalhar em favor da legalização e garantir que essa pauta continue em discussão, já que há indícios de que o assunto seja retirado do Plano Nacional de Direitos Humanos. Entendemos que o aborto é uma decisão livre e não pode ficar atrelado à decisão da Igreja. A legislação precisa avançar , ressaltou.
O dossiê foi elaborado pelo Grupo Curumim e pelo Ipas Brasil e integra as ações de um conjunto de estratégias, articuladas em nível nacional, pela coalizão Jornadas pelo Aborto Legal e Seguro e da Frente Nacional Contra a Criminalização das Mulheres pela Legalização do Aborto. Já foram realizadas pesquisas sobre a realidade do aborto inseguro nos estados da Bahia, Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Paraíba.
De acordo com Tizuko, o estudo pretende contribuir para a legalização do aborto no Brasil e assim evitar óbitos de muitas mulheres. A não legalização do aborto representa o óbito de muitas mulheres, afirmou. A ilegalidade não promove a redução do aborto, pelo contrário. É importante ter essa discussão porque quem morre são as mulheres pobres, ressaltou.
Tizuko Shiraiwa salienta que as jovens na faixa etária de 20 a 29 anos, por estarem em idade reprodutiva, acabam sendo as grandes vítimas do aborto ilegal e inseguro. Quanto mais jovem, maior a vulnerabilidade econômica e a falta de condições de criar um filho, disse. Mas ela ressaltou que a decisão de ter ou não um filho não é banal e envolve sempre muito sofrimento/.
Um estudo realizado pelo Ipas Brasil e o Instituto de Medicina Social da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, com apoio do Ministério da Saúde, revelou que o número de abortos realizados no Brasil passa de 1 milhão por ano. Mais de 220 mil deles têm como consequência, entre várias complicações, infecções graves e perfurações no útero.
Para saber mais sobre o assunto: http://www.ipas.org.br.

Imprimir
Comentários