A ex-policial Amber Guyger, do Texas/EUA, foi condenada nessa quarta-feira (2) a dez anos de prisão por matar seu vizinho, Botham Jean, dentro do apartamento dele, no ano passado. Ela havia sido considerada culpada na véspera e corria risco de ser sentenciada à prisão perpétua.

Segundo a agência Associated Press, a sentença foi recebida com vaias por amigos de familiares da vítima, que consideraram a pena muito branda. “É um tapa na cara”, disse uma mulher que estava presente. “Sem justiça! Sem paz!”, gritaram pessoas do lado de fora, quando a mãe e outros parentes de Jean deixaram a corte, de acordo com a AP.

Os promotores haviam pedido que Amber fosse condenada a pelo menos 28 anos, idade que Jean teria se estivesse vivo.

“Erro trágico”

O crime aconteceu em 6 de setembro de 2018, quando Amber Guyger voltou do trabalho e desceu do elevador no andar errado do prédio onde mora. Ela entrou no apartamento de Jean, de 26 anos, que estava com a porta destrancada, pensando ser o seu.

Ao ver o vizinho, imaginou se tratar de um intruso e atirou nele, que morreu. O caso provocou indignação e gerou polêmica sobre violência policial e preconceito racial, já que Amber é branca, e Botham Jean, originário da ilha caribenha de Santa Lúcia, era negro.

Amber disse ter se confundido e seu advogado, Robert Rogers, classificou o episódio como um “erro trágico”. Mas o procurador Jason Hermus respondeu que Jean, que trabalhava para uma empresa de contabilidade, “pagou o preço final” por seus erros, e, após dois dias de deliberações, o júri a condenou por homicídio.

Amber Guyger, de 31 anos, trabalhou como policial em Dallas por quatro anos até ser demitida por causa do assassinato.

 

Fonte: G1 ||
Imprimir
Comentários