Da Redação

Assunto que tomou o debate público nos últimos dias e vem preocupando lideranças políticas do município, as consequências da vinda contínua de detentos de alta periculosidade para Formiga, que se intensificou sobremaneira a partir de março, foi tema de coletiva de imprensa realizada nesta terça-feira (7).

A reunião contou com a participação de dois ex-prefeitos, Eduardo Brás, quem convocou o encontro, e Juarez Carvalho, do atual vice-prefeito Cid Corrêa, da empresária Taciana Carvalho e do advogado Thiago Pinheiro.

Segundo os participantes, o objetivo foi de alertar autoridades e a própria população sobre os riscos da vinda desses presos para o município e as consequências futuras, buscando formas de cessar com as transferências que também tem sido motivo de descontentamento dos familiares dos detentos.

Em sua fala, Eduardo elencou os problemas na área da saúde e na economia do município, por afastar investimentos, caso a violência aumente ainda mais. “Amanhã, quando Formiga se tornar uma cidade violenta, e a violência não vem por causa do preso, mas da “colundria” dele, ou seja, são os liderados, os familiares que vem pra cá; a população terá que lidar com a insegurança e com uma série de problemas”, comentou.

O vice-prefeito Cid Corrêa salientou em sua fala que considera um absurdo a Penitenciária, localizada em uma bairro residencial, cercada de trabalhadores, receber detentos de alta periculosidade. “Diante dessa situação vamos buscar ajuda junto às lideranças políticas do Estado para que o governo mineiro reveja esta decisão”, afirmou.

Juarez Carvalho, considerado o “pai do filho feio”, também se pronunciou durante a coletiva e disse estar feliz com a união das lideranças em torno da causa. Juarez ainda explicou que, em 2003, quando lideranças do município buscaram junto ao Estado uma solução para a cadeia da cidade, a informação foi de que Formiga teria sido escolhida para receber uma Apac (Associação de Proteção e Assistência aos Condenados), que seria um modelo de recuperação. “Chegaram a colocar uma placa na construção falando que seria construída uma Apac no local, mas eu não peguei o final da construção, porque acabou o meu mandato”, comentou.

Relembrando:

A Penitenciária de Formiga, inaugurada em agosto de 2007, foi idealizada e construída ainda nos anos do governo de Juarez Carvalho, sendo inaugurada no primeiro mandato de Aluísio Veloso.
O “presente de grego” que deveria apenas substituir a cadeia pública, passou a ser cogitada como modelo de Apac e terminou com Penitenciária Regional recebendo presos de todo o estado, sendo alguns de alta periculosidade.

Desde a inauguração se passaram vários governos e nenhuma intervenção foi feita para frear os rumos da unidade prisional projetada para abrigar 396 e hoje abriga cerca de 800 detentos.

Confira a coletiva na íntegra (as imagens são da 93 play)

Imprimir
Comentários