Apesar da crise que abalou o Japão depois do terremoto naquele país, há indicadores de que pode aumentar a participação de Minas Gerais nas exportações de frango para o mercado japonês. Segundo o Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), as vendas do produto mineiro para o Japão, no primeiro bimestre de 2011, geraram uma receita de US$ 3,3 milhões.
De acordo com análise da Superintendência de Política e Economia Agrícola (Spea) da Secretaria da Agricultura, o valor obtido por Minas com a exportação do frango para o país asiático no primeiro bimestre deste ano é mais que o dobro do registrado no mesmo período de 2010. Já a receita das exportações de frango para todos os mercados que adquirem o produto de Minas, no primeiro bimestre deste ano, foi de US$ 53,2 milhões, cifra que supera em 83% o valor registrado no mesmo período em 2010.
A empresa Rivelli Alimentos, sediada em Barbacena, na região do Campo das Vertentes, é uma das indústrias que registraram aumento das exportações anunciado pelo MDIC. Há cerca de oito anos a indústria exporta frango, sendo habilitada atualmente pela União Europeia, o que amplia a possibilidade de comercialização em mercados mundiais mais exigentes. De acordo com o diretor Carlos Rivelli, os dados do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior sobre as exportações de frango no primeiro bimestre de 2011 correspondem à crescente aceitação do produto brasileiro no mercado mundial, e principalmente no Japão, que incrementou nos dois últimos anos a aquisição do frango produzido pela empresa.
Segundo o diretor de vendas da Rivelli, Marcelo Assunção de Oliveira, a empresa responde por mais de 90% do volume das exportações mineiras de frango para o mercado japonês. ?As vendas crescentes para aquele país são garantidas pela qualidade do frango que exportamos e pelo preço competitivo do produto?.
Cotado no máximo por US$ 4 o quilo (preço da coxa desossada), o frango do Brasil compete em preço no mercado japonês inclusive com o peixe, alimento tradicional dos japoneses. ?O custo da produção avícola é tão alto no Japão que o país prefere importar o produto, dando preferência ao Brasil, pois nosso frango tem preço acessível e além disso é produzido de acordo com as normas de qualidade e segurança alimentar?, ressalta o diretor.
Por isso, de acordo com Oliveira, apesar da crise no Japão é possível que o país aumente a demanda pelo produto. ?Muitos consumidores japoneses procuram comprar grande quantidade de frango para armazenar, porque existe o receio de escassez do alimento?, acrescenta o executivo. A demanda de frango ?in natura?, no Japão, alcança 30 mil toneladas por mês, sendo 92% deste volume fornecidos pelo Brasil. Nesse cenário, a Rivelli respondeu em 2010 pelo embarque de cerca de 6 mil toneladas, informa o executivo.
Entre outros grandes compradores do frango brasileiro, tem destaque o Canadá, sendo a Rivelli o único fornecedor de Minas Gerais para aquele país, segundo Oliveira. Ele cita também a Holanda, Alemanha e França, além dos tradicionais mercados do Oriente Médio entre os compradores mais importantes de frango de Minas e do Brasil.
Vendas em expansão
Segundo a assessora técnica da Spea, Márcia Aparecida de Paiva Silva, os dados das exportações de frango no primeiro bimestre de 2011 dão sequência aos resultados obtidos no no ano passado. Além disso, ela explica, ?novos clientes efetuaram compras significativas do produto mineiro, entre eles o Canadá, Reino Unido e França, entre outros?.
Para Márcia Silva, a cotação média do frango de Minas no mercado mundial, que alcançou cerca de US$ 1,8 mil a tonelada ? aumento de 21,27% na comparação com o acumulado janeiro/fevereiro de 2011 ?, foi outro fator favorável à obtenção da receita positiva com a exportação desse segmento. ?Outro dado importante foi o aumento de 50,9% no volume comercializado no primeiro bimestre de 2011 em relação ao registrado no mesmo período do ano passado?, explica a assessora.
Produção sustentável
Para o secretário de Agricultura, Elmiro Nascimento, os resultados das vendas internacionais do frango de Minas, e especialmente a excelente situação do produto no mercado japonês, devem ser atribuídos, entre outros fatores, ao alto grau de profissionalização das empresas avícolas mineiras. ?Nossas indústrias utilizam atualmente processos de produção sustentados por tecnologia sempre atualizada e ajustada às normas sanitárias e ambientais?, ele ressalta.
O presidente da Avimig, Antônio Carlos Vasconcelos Costa, e a diretora do Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas (Sinpamig), Valéria Maria da Silva Souza, assinalam a importância da obediência às normas de sanidade e segurança alimentar na produção de frango para atender à exportação bem como às vendas internas. Valeria Maria destaca que ?as granjas contratadas para o atendimento exclusivo das indústrias, conhecidas como integrações, devem trabalhar de forma sustentável, cumprindo as normas de sanidade, qualidade e preservação ambiental para garantir a oferta de um produto credenciado ao consumo no Brasil e no exterior?.

Imprimir
Comentários