Nessa casa tem goteira
Na reunião de segunda-feira (21), na Câmara Municipal, Mazinho solicitou, mais uma vez, a reforma do toldo na entrada do PAM. Segundo informou o vereador, na época das chuvas, molha mais de fora do que dentro (sic) e que, quando solicitam a reforma do toldo, é o mesmo que não pedir, pois entra em um ouvido e sai no outro.
Doações às entidades
Mazinho pediu informações à Prefeitura sobre as prestações de contas das audiências públicas do segundo e terceiro quadrimestre de 2008, já que várias entidades receberam doações de dinheiro público. O vereador quer saber os valores e os nomes das entidades beneficiadas. Mazinho contou que desde 2009, o Poder Executivo enviou para a Câmara 62 projetos de leis doando dinheiro para várias entidades. Um valor total de R$1. 362 milhão além de 43 projetos de doações de imóveis. O edil disse que, o dinheiro é repassado para as entidades e ninguém vai lá na Câmara comprovar tais repasses, além de que, com isso, não sobra recursos para calçamento de ruas e para investimentos na saúde.
Vocação para ser vereador
A respeito da proposta de redução de salários dos vereadores para R$ 2 mil a partir do ano que vem, Cabo Cunha disse que o cargo de vereador não é uma profissão e sim uma vocação. De acordo com ele, se for o desejo da comunidade de passar o subsídio do vereador para um salário mínimo, que votaria para fazer a vontade do povo, já que não está ali por dinheiro e quem vai para lá [ocupar o cargo de vereador] achando que é emprego está redondamente enganado.
Seria uma indireta?
Ainda sobre a redução dos salários dos edis e do projeto ?Formiga é 10?, Cabo Cunha disse que é importante se ter um posicionamento sobre determinado assunto e que as pessoas não são bobas. O vereador, mesmo não dando nome aos bois, disse que hoje ?certas pessoas? estão de um lado e amanhã de outro, somente por puro interesse. Ele salientou ainda que prefere a morte a ficar na corda bamba como muitos lá por aquelas bandas, pois para ser um homem público é preciso definir de que lado está.
Pintura nos calçadões
Mauro César pediu, mais uma vez, que a administração municipal, por meio do setor de esportes, pinte nos calçadões onde as pessoas têm o hábito de fazer caminhadas, na saída da cidade pelo bairro Engenho de Serra e em direção à Praia Popular, o percurso de 100 em 100 metros para facilitar essa contagem aos mesmos. O edil disse que o prefeito Aluísio Veloso já tinha se comprometido, já que a pintura fica barata.

Imprimir
Comentários