Por Priscila Rocha 

Pais de dez alunos das comunidades rurais de Padre Doutor e Córrego da Areia estão enfrentando dificuldades devido à falta de transporte escolar para os filhos. As crianças, com idades entre 4 e 5 anos, são estudantes da educação infantil da Escola Municipal Paulo Barbosa. Elas têm garantido o transporte de ida para a escola, mas não têm o de volta.

O transporte é oferecido pela Prefeitura para estudantes do turno matutino, e as crianças, que estudam no turno vespertino, pegam carona quando a van deixa os alunos depois da aula.

Segundo nota da Prefeitura, “há anos o transporte não é disponibilizado aos estudantes do turno vespertino”. Ainda segundo a nota, “os pais já haviam sido avisados de que não há o transporte escolar à tarde. A disponibilidade dele é inviável, já que a Secretaria de Educação e Esportes gasta cerca de R$2 milhões por ano com o transporte da manhã”.

Já os moradores das comunidades informaram o contrário: “Sempre foi oferecido transporte na parte da tarde para nossos filhos, o que acontece é que o motorista da Prefeitura que levava os estudantes da tarde, o Sr. Gabriel, faleceu em agosto de 2015, o transporte ainda foi oferecido até o final do ano letivo e durante todo o ano de 2016”, disse a mãe de um estudante da comunidade de Padre Doutor.

Segundo Iara e Vagmar, pais de um dos alunos, a opção oferecida pela Secretaria Municipal de Educação e Esporte é transferir as crianças para outra escola. “Eles nos deram apenas a opção de transferir nossos filhos para outra escola. Isto não queremos, pois achamos que o ensino na escola onde estão é superior ao da escola  que eles terão que mudar. É direito nosso querer um ensino de melhor qualidade para nossos filhos”.

A Paulo Barbosa é uma das 31 escolas públicas do país que mantêm excelência no ensino desde 2011 segundo pesquisa feita pela Fundação Lemann, Instituto CreditSuisseHedging-Griffo e Itaú BBA, a partir de dados da Prova Brasil. Nos últimos anos, a busca por uma vaga na escola formiguense aumentou e o número de alunos saltou de 380 crianças para 460 alunos matriculados.

Os pais se reuniram, na semana passada, com o secretário de Educação e Esporte e vice-prefeito, Cid Corrêa. Na ocasião, Cid informou a eles que a Prefeitura não tem como arcar com o transporte. “Na reunião Cid disse que não tem verba para disponibilizar o transporte, pois o Governo não está repassando os recursos devidos ao município como o IPVA. Sinceramente, nossos impostos são pagos em dia e a obrigação da administração é nos devolver esse valor em saúde, educação, infraestrutura, etc. Não é justo que nossos filhos sejam prejudicados”, disse Iara.

Enquanto o problema não é resolvido, os pais estão se revezando para buscar as crianças. “Trabalhamos o dia todo, não temos disponibilidade para buscar as crianças todos os dias na escola. Nós apenas desejamos que nossos filhos possam ter o transporte escolar regular como era feito antes”, disse.

Imprimir