Partindo da BR-354, o acesso à região da comunidade de Fazenda Velha, partindo da BR-354, em seus primeiros 1,8 km, passou por uma ‘maquiagem’ completa nesta semana. Trechos foram alargados, os conhecidos bigodes (escoamento d’água pluvial foram refeitos e dezenas de caminhões de brita (fundo de pedreira) recobriram grande parte do trecho da pista de rolamento principal. Os “galhos”, ao contrário do que afirma uma nota oficial enviada essa semana, não receberam o mesmo tratamento e na quinta-feira (21), segundo informações obtidas na Secretaria de Obras, o maquinário e pessoal empregado na recuperação de estradas rurais, já se encontravam na região do Morro da Melancia.

Segundo a nota da Prefeitura, que não comenta a respeito da obra citada no início da matéria, a região da Fazenda Velha ainda receberá outros benefícios como: substituição de ponte de madeira por outra de cimento armado, obra que deverá estar concluída em 40 dias e que em razão de sua interdição, justifica a recuperação dos acessos secundários, com alargamento e colocação de brita na pista de rolamento.

“A comunidade está em festa”, diz um morador local que completou: “Para nós foi uma benção a vinda do prefeito para a nossa vizinhança. Finalmente nossas reivindicações estão sendo atendidas”.

Porém, houve gente que reclamou que algumas famílias, que possuem casas próximas à propriedade do prefeito, ainda não dispõem do serviço de fornecimento de energia elétrica, embora a rede se encontre a poucos metros das mesmas. De acordo com a apuração feita pelo jornal, problemas burocráticos (regularização de propriedades) estão impedindo o acesso ao benefício. Luz para todos por lá, é balela. Ao menos por enquanto, a verdade é outra: Luz, só para alguns!

Em diversas comunidades rurais, onde o poder público prestou alguns serviços, houve sempre a realização de uma espécie de parceria. Como ocorreu no caso da instalação de mata-burros, na própria comunidade de Fazenda Velha, onde os moradores tiveram que auxiliar a municipalidade adquirindo e pagando, cimento e outros materiais. Em outras regiões, a recuperação de rodovias contou com a ajuda comunitária que arcou com material e transporte. Na comunidade de Fivela, um grupo de 10 pessoas conforme noticiado pelo jornal, em 12 de dezembro de 2014, todos moradores, comprovaram o pagamento de brita (R$120, cada caminhão) para a execução dos serviços.

No entanto, desta feita, a brita gasta nos serviços em questão na Fazenda Velha, foi toda transportada por veículos da municipalidade que certamente arcou com o custo de aquisição e do transporte de material, o que, convenhamos, deveria ocorrer em todos os casos.

 

 

Confira a nota oficial a respeito:

 

Ponte será substituída na Fazenda Velha; tráfego ficará interrompido

 

A Secretaria Municipal de Obras deverá iniciar na semana que vem a substituição da ponte localizada na principal via de acesso à comunidade rural de Fazenda Velha, Timburé, Martins de Arruda e várias outras. A travessia de madeira, que fica na entrada de Fazenda Velha, será substituída por uma de concreto. As pranchas de concreto que serão utilizadas já estão no local.

Devido à substituição da ponte, será necessário interditar o tráfego no local por até 40 dias. Para garantir que os moradores e produtores tenham condições de transitar pela região, acessos secundários estão sendo recuperados, com alargamento e colocação de brita.

A partir da semana que vem, começa a ser retirada a ponte de madeira. Logo em seguida, serão construídas as cabeças (pilares) de sustentação. Depois, serão fixadas as pranchas de concreto.

Essa obra atende a um pedido antigo das comunidades locais. O presidente da Associação Comunitária Lagoa Grande, Sérgio Eufrásio da Silva, que mora há 12 anos no local, contou que, só na Fazenda Velha, a obra vai beneficiar pelo menos 118 famílias (essas são somente as que têm pena d’água registrada no Saae). “Aqui passam vans e ônibus escolares duas vezes por dia”, disse.

 

 

Outras comunidades

A Secretaria Municipal de Obras ressalta que obras de melhoria nas estradas estão sendo realizadas em praticamente todas as comunidades rurais. Uma das beneficiadas mais recentemente foi a de Baiões, cujas estradas receberam alargamento e cascalhamento.

Já foram beneficiadas ainda com melhorias diversas em estradas as comunidades de Albertos, Cerrado, Cunhas, São Pedro, Segredo, Gonçalves, Teodoros, Nova Zelândia, Timboré, Martins de Arruda, Paneleiros, Rodrigues, Santa Luzia, Papagaios, Morro das Pedras, Lucianos, Serrinha, Raízes, Padre Trindade, Córrego do Barro, Córrego Seco, Cachoeira do Areião, Barra Mansa, Santa Rita, Córrego da Areia, Quilombo, Padre Doutor, Pontevila, Marmelada, Boa Esperança e Fivela. O trabalho de manutenção dessas estradas é permanente e é feito continuamente. Para isso, existe uma equipe com maquinário para fazer especificamente esse serviço.

 

O caso de Baiões

Apesar da nota oficial descrever o atendimento a todas as comunidades rurais existentes no município, ainda é grande o número de reclamações que chega à redação, sempre cobrando serviços não realizados nas estradas. Provavelmente, os atendimentos citados na nota da administração, devem ter sido realizados nos primeiros dias do atual governo e que, evidentemente, ao longo do período foram sua “validade”, digamos, vencida.

Especificamente em Baiões, segundo apurado, o serviço precisou ser refeito pela própria comunidade que, desconhecendo leis e quem sabe na ânsia legítima de cooperar com o prefeito, acabou cometendo crimes ambientais de certa monta, conforme descrito no Boletim da própria Polícia Ambiental, o que resultou numa multa contra o próprio Centro Comunitário, ao que se sabe, de R$ 24 mil.

 

Redação do Jornal Nova Imprensa

IMPRIMIR