O título não é nem sonho há muito tempo. As chances de uma vaga na Libertadores do ano que vem são inferiores a 1% para Atlético (0,56%) e Cruzeiro (0,017%). Assim, a reta final do Brasileiro terá os dois representantes mineiros tendo como objetivo principal evitar o rebaixamento e, se possível, garantir como prêmio de consolação a presença na Sul-Americana do ano que vem.

O número mais desejado por atleticanos e cruzeirenses neste momento de incerteza dos dois clubes na Série A é a marca que salvará um time do rebaixamento. Analisando a tabela de classificação após a disputa de 30 das 38 rodadas, consultando o site Probabilidades no Futebol, mantido pelo Departamento de Matemática da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), e recorrendo à edição do ano passado, chega-se a 41 pontos como o objetivo a ser buscado pela dupla.

Arte: Hoje em Dia

O Fluminense, que é 17º colocado e abre a zona de rebaixamento, tem 31 pontos. Assim, hoje, com 32, o que representa 35,55% de aproveitamento, um clube se salvaria.

Projetando essa marca para o final da competição, chega-se a 40,5 pontos. Jogando para cima, o 41 aparece como o número da salvação.

Para os matemáticos da UFMG, com 41 pontos um clube tem hoje 47,43% de chances de rebaixamento. Nas probabilidades, o 50% aparece como o pêndulo da balança. Assim, no caso de descenso, a primeira marca logo abaixo dele é a mais real para o momento.

O terceiro indicativo dos 41 pontos é o Campeonato Brasileiro do ano passado, pois em 2018 o América foi o 17º colocado com 40 pontos.

Segurança

Apesar de hoje 41 pontos aparecer como a marca da salvação no Brasileirão, no que se refere ao rebaixamento à Série B, este número pode aumentar ou diminuir, dependendo do andamento da competição. A amostragem, desde o início, mostra que não deve ficar muito distante disso.

De toda forma, com 42 pontos a segurança é enorme para se evitar o descenso. As chances, que com 41 são de 47,43%, despencam para 24,65%.

Atlético

Com 36 pontos e 40% de aproveitamento, o Atlético precisa de duas vitórias nos oito jogos que lhe restam para chegar aos 42 que aparecem como mais que suficientes para se evitar a queda.

Seis pontos nos 24 que o time de Vágner Mancini ainda disputa significam 25% de aproveitamento, o que é muito menos do que o time tem em toda a competição, que é 40%, mas bem próximo por exemplo do que ele conseguiu no returno, que foi 27,27%, pois somou nove pontos em 33 disputados.

Cruzeiro

Com 33 pontos, três a menos que o rival, o Cruzeiro precisa de três vitórias nos oito jogos finais para chegar aos 42 que aparecem neste momento como uma marca segura. E para a Raposa mais ainda, pois o baixo número de vitórias é um problema para a equipe de Abel Braga, pois este é o primeiro critério de desempate.

O aproveitamento que o time da Toca precisa para chegar aos 42 pontos é 37,5%, mais que os 36,67% acumulados nas 30 rodadas já disputadas.

O que anima os cruzeirenses é que no returno o clube conquistou 45,45% dos pontos disputados. Sob o comando de Abel Braga, esse percentual é ainda maior – 51,85%.

É muito pouco pela história dos dois clubes, mas, com certeza, vaga na Copa Sul-Americana do ano que vem já será motivo de comemoração para atleticanos e cruzeirenses. Até porque, será um indicativo de que eles não caíram para a Série B.

No próximo domingo, Cruzeiro e Atlético jogam no Mineirão pela 32ª rodada do Brasileirão.

Imprimir

Fonte:

Hoje em Dia