Fiscais da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Minas Gerais (SRTE/MG) resgataram 51 lavradores em situação irregular no cultivo de morango, na zona rural de Cambuí, na Região Sul de Minas. Segundo a SRTE/MG, alguns deles trabalhavam em condições parecidas às de escravo e outros em um galpão de seleção, embalagem e armazenamento de morangos, sem carteira de trabalho assinada e registro em livro.
Entre os trabalhadores sem carteira, havia sete adolescentes com idades entre 15 e 17 anos, que trabalhavam em horários noturnos e sem intervalo mínimo de uma hora pra repouso ou alimentação. Cinco dos menores eram submetidos a atividades insalubres, com acesso a câmara fria, e sujeitos a riscos ergonômicos.
Ainda de acordo com SRTE/MG, o empregador não fornecia equipamentos de proteção individual, água potável, instalações sanitárias adequadas, local para refeições e materiais de primeiros socorros nos locais de trabalho. Os lavradores manipulavam agrotóxicos sem proteção e treinamento, e os insumos eram armazenados de forma irregular.
Os fiscais interditaram as áreas de cultivo e o galpão usado para o armazenamento dos produtos. Foram feitos 34 autuações, e o responsável deverá pagar R$ 248 mil em verbas rescisórias.

Imprimir
Comentários