Da Redação 

O município de Formiga completou, nesta terça-feira (12), 91 dias sem registro de chuva significativa e de acordo com a coordenadora da Defesa Civil, Vera Lúcia Moreira não há previsão de chuva para os próximos 15 dias.

A última chuva considerável no município foi no dia 14 de junho, quando foi registrada uma precipitação de 11 milímetros.

Ainda de acordo com Vera Moreira, a umidade relativa do ar continua baixa, em torno de 19%. “Os baixos índices de umidade do ar registrados em Formiga se igualam aos índices registrados em desertos, dessa forma a população deve ficar atenta e tomar os devidos cuidados para manter a saúde”.

A presença de uma massa de ar quente e seca em Minas Gerais inibe a formação de nuvens. Com isso, o céu fica claro, e os dias têm predomínio de sol, em maior parte do Estado, favorecendo assim a grande diferença entre a temperatura mínima e a máxima, chamada de amplitude térmica.

Em Formiga, a amplitude térmica continuará nos próximos dias. As temperaturas devem variam entre 17ºC e 34ºC.

“A amplitude térmica é a diferença entre a maior e a menor temperatura diária em determinado local, o que é característica da estação de inverno em grande parte do Centro-Oeste e do Sudeste do Brasil. Para épocas em que a faixa de umidade gira em torno de 20%, recomenda-se evitar exercícios físicos ao ar livre; umidificar o ambiente através de vaporizadores ou toalhas molhadas; sempre que possível, permanecer em locais protegidos do sol e em áreas vegetadas e beber muita água”, finalizou Vera.

A captação de água na barragem do Serviço Autônimo de Água e Esgoto (Saae) está em 50% da capacidade total, dessa forma a Defesa Civil alerta a população para que economize água.

Por que está escurecendo mais tarde?

Muitas pessoas no Brasil já podem ter reparado que, de uns dias pra cá, o sol parece estar nascendo mais cedo e se pondo mais tarde. Isso está acontecendo devido à aproximação do solstício de verão no Hemisfério Sul (HS), que vai ocorrer no dia 21 de dezembro, às 14h28, pelo Horário Brasileiro de Verão. É o início oficial do verão para o Hemisfério Sul e o início do inverno para o Hemisfério Norte (HN).

Durante o verão, nos dois hemisférios, muitas áreas têm dias longos, com mais de 12 horas disponíveis de sol e noites curtas. No inverno, ao contrário, o número de horas da noite é maior do que o número de horas do dia. Em outras palavras, as noites são maiores (mais longas) do que os dias.

Outra forma de entender isso é pensar que à medida que nos aproximamos do solstício de verão (21 de dezembro), o sol nasce cada vez mais cedo e se põe cada vez mais tarde. Com a chegada do solstício de inverno (que aconteceu no dia 21 de junho), o sol nasce no horizonte cada vez mais tarde e se põe cada vez mais cedo. Mas essas diferenças não ocorrem em todos os lugares, ou são pouco notadas em determinados locais do globo. A percepção destas diferenças do tamanho do dia (e da noite) no verão e no inverno depende da latitude, que é a distância em relação à Linha do Equador.

Em Fortaleza, que está muito perto da Linha do Equador, a hora do nascer e do por do sol nos dias de verão não muda muito em relação aos dias de inverno.  Em 21 de dezembro o dia terá 12 horas 18 minutos e no dia 21 de junho o dia durou 11 horas 3 minutos (apenas 25 minutos de diferença). Mas em Porto Alegre, que está longe da linha do equador, na latitude 30° sul, o dia terá 14 horas e 3 minutos no dia 21 de dezembro de 2017 e teve 10 horas e 10 minutos no dia 21 de junho de 2017. A diferença é de 4 horas! São 4 horas a menos disponíveis para aquecer o ar.

 

IMPRIMIR
Fonte:

Com informações do Climatempo