Na terça-feira (28) foi comemorado o Dia Mundial de Combate as Hepatites.

Em vários estados do país foi realizada a Semana de Combate as Hepatites Virais, uma campanha de conscientização contra a doença. Grave problema de saúde pública no Brasil e no mundo, a hepatite é a inflamação do fígado. Pode ser causada por vírus, uso de alguns remédios, álcool e outras drogas, além de doenças autoimunes, metabólicas e genéticas. No Brasil, as hepatites virais mais comuns são as causadas pelos vírus A, B e C. Existem, ainda, os vírus D e E, este último mais frequente na África e na Ásia.

Minas Gerais também  aderiu à campanha e em várias cidades do estado foram realizados atividades de conscientização a doença e testagem rápida das hepatites B e C, vacinas para toda a população com até 49 anos de idade, teste orientações sobre hanseníase e doenças sexualmente transmissíveis (com testes rápidos de sífilis). As pessoas diagnosticadas com as doenças foram orientadas e encaminhadas para tratamento.

Em Formiga, nada foi feito para conscientizar a população sobre essa doença silenciosa, que mata e pode ser evitada e tratada se diagnosticada a tempo. De acordo com a Secretaria de Comunicação, a campanha não foi realizada no município por falta de materiais. “A Secretaria de Saúde aguarda o envio de material de divulgação e de testes rápidos por parte do Ministério da Saúde para iniciar o trabalho em Formiga”.

No Brasil a hepatite acomete 2,5 milhões de pessoas, sendo que 60% delas desconhecem o fato de estarem doentes. O cenário da incidência da hepatite C, mal responsável pela morte de pelo menos 9 mil brasileiros por ano, é agravado pelo fato de que apenas 38% da população já fez o teste específico para detecção do vírus, segundo pesquisa Datafolha.

Atualmente, 12 mil pessoas passam por terapia para hepatite C no País. Segundo o Inca (Instituto Nacional do Câncer), são 8.040 novos casos de câncer de fígado ao ano e a doença é responsável por até 50% dos transplantes. 

 Diariamente, em todo o mundo, 4 mil pessoas (cerca de 3 por minuto) morrem em consequência da  hepatite viral. A  cada ano, as 1.400.000 mortes causadas pela doença poderiam ser prevenidas com mais conscientização.

Para evitar a doença, recomenda-se adotar condições de higiene e de saneamento básico como:

– Lavar as mãos após ir ao banheiro, trocar fraldas e antes de comer ou preparar alimento
– Lavar bem, com água tratada, clorada ou fervida, os alimentos que são consumidos crus, deixando-os de molho por 30 minutos;

– Cozinhar bem os alimentos antes de consumi-los, principalmente mariscos, frutos do mar e carne de porco;

– Lavar adequadamente pratos, copos, talheres e mamadeiras;

– Não tomar banho ou brincar perto de valões, riachos, chafarizes, enchentes ou próximo de onde haja esgoto a céu aberto;

– Evitar a construção de fossas próximas a poços e nascentes de rios para não comprometer o lençol d’água que alimenta o poço. Deve-se respeitar, por medidas de segurança, a distância mínima de 15 metros entre o poço e a fossa do tipo seca e de 45 metros, para os demais focos de contaminação, como chiqueiros, estábulos, valões de esgoto, galerias de infiltração e outros;

– Caso haja algum doente com hepatite A em casa, utilizar hipoclorito de sódio a 2,5% ou água sanitária ao lavar o banheiro;

– No caso de creches, pré-escolas, lanchonetes, restaurantes e instituições fechadas, adotar medidas rigorosas de higiene, como a desinfecção de objetos, bancadas e chão utilizando hipoclorito de sódio a 2,5% ou água sanitária,

Para tratar a água, basta ferver ou colocar duas gotas de hipoclorito de sódio em um litro de água, 30 minutos antes de bebê-la, deixando o recipiente tampado para que o hipoclorito possa agir, tornando a água potável para o consumo. Na ausência de hipoclorito de sódio, pode-se preparar uma solução caseira com uma colher de sopa de água sanitária a 2,5% (sem alvejante), diluída em um litro de água.

 A vacina de hepatite A foi introduzida no calendário infantil em 2014 para crianças de 1 a 2 anos de idade.

Redação do Jornal Nova Imprensa Com agências

Imprimir