Da Redação

No sábado (27), foi ao ar uma entrevista realizada pelo radialista Flaviano Costa, no programa Direto ao Assunto da rádio 93 Play, com o médico e Diretor Técnico da Santa Casa, Yuri Amorim. O tema abordado foi a realidade do município com relação ao número de ventiladores mecânicos (respiradores) disponíveis para o tratamento de casos mais graves da Covid-19.

Reveladora, a entrevista coloca em cheque os dados diariamente divulgados pela Secretaria de Saúde, através da Câmara Técnica de Enfrentamento ao novo coronavírus que acompanha o índice de ocupação dos equipamentos, por meio de um protocolo, usando como base 19 respiradores existentes no Centro de Terapia Intensiva (CTI) da Santa Casa da cidade.

Respiradores na Santa Casa

Questionado sobre o número total de respiradores disponíveis no hospital, o Diretor Técnico explicou que são 37 (19 no CTI, sete carrinhos de anestesia e os demais ficam divididos entre a Sala Vermelha – emergência –  bloco cirúrgico e UTI neontal).

Apesar dos 18 respiradores que são usados fora do CTI, o médico explicou que é apenas no centro que há o ambiente ideal para ao tratamento de um paciente com quadro grave de covid e que demande intubação.

Respiradores para casos Covid-19

Com relação ao número exclusivo de respiradores da Santa Casa para atender aos pacientes infectados pelo vírus, Yuri explicou que, segundo o protocolo da Secretaria Estadual de Saúde, a Santa Casa de Formiga deveria, de fato, disponibilizar 19 leitos do CTI para esses casos, porém, essa não é a realidade. “Se todos os leitos forem usados para uma única doença, a Santa Casa deixa de atender o restante da demanda de casos (Infartos, AVCs, etc)”.

 “Hoje nós dividimos os leitos do CTI. Há 6 leitos exclusivos para a Covid (divisão física para evitar a contaminação de pacientes com outras comorbidades) e 13 para os demais casos”, completou o diretor técnico, que informou ainda, que por questão de espaço, não há nenhuma possibilidade de se isolar todos os 19 leitos. “Vai chegar um momento que, se eu tiver no CTI, sete ou no máximo oito leitos ocupados pelo covid, aquele setor passará a atender apenas pacientes com essa doença, perdendo a capacidade de atender outros casos, que surgem a todo momento. Eu não posso colocar um paciente infartado ao lado de um com covid, por exemplo”, explicou.

Na data da realização da entrevista (25/06), de acordo com o médico, 50% dos leitos exclusivos para a Covid estavam ocupados . Porém, pelo protocolo da Prefeitura, esse índice era de 15,8%. Além disso, do total de leitos do CTI, 14 estavam ocupados naquela data (11 deles por pacientes com outras doenças).

“Eu entendo que a disponibilidade do leito é um critério ótimo para proteger o sistema de saúde. Mas a grande questão é que ele (o protocolo usado pela Secretaria de Saúde) leva em consideração apenas os casos de covid e a gente tem que pensar no restante das comorbidades”, disse o médico em relação ao acompanhamento do índice de ocupação de leitos aplicado no município para gerir a flexibilização de setores.

Habilitação de novos leitos

O médico, que não participou da reunião promovida pelo Comitê de Enfrentamento que estabeleceu o protocolo de ocupação de leitos, informou durante a entrevista que existe, por parte do Estado, a proposta de habilitação de 12 novos leitos de CTI para o município atender as demais doenças, para que, de fato, os 19 leitos atuais sejam usados para a Covid. Porém, essa habilitação depende do Ministério da Saúde e há ainda o desafio de se providenciar uma equipa médica para atender nesses novos leitos, o que demanda especialidade.

O protocolo

Há 10 dias, a Câmara Técnica de Enfrentamento ao novo coronavírus passou a usar um protocolo, desenvolvido pelos profissionais que a compõe, estabelecendo novos parâmetros que podem definir o funcionamento de serviços, fechamento ou abertura do comércio e até mesmo a medida de “lockdown”, caso seja necessária.

O documento prevê ações a partir de níveis de ocupação do total disponível de “ventiladores mecânicos” no município, destinados, exclusivamente, à pacientes internados com Covid-19 na cidade.

Foram definidas faixas de percentuais de ocupação dos equipamentos, com previsão de ações para cada uma dessas faixas.

Até então, o município não havia confirmado o número total de ventiladores mecânicos no qual se baseiam as ações, porém, em release enviado no dia 24 deste mês, em que relaciona o aumento de casos ao aumento na realização de testes, a Secretaria de Saúde confirmou que o município possui 19 respiradores para tratamento do novo coronavírus. O que está fora da realidade apresentada pelo diretor técnico da Santa Casa

Confira a entrevista completa

O uso de dados divulgados na entrevista realizada pela 93 play foi devidamente liberada pela empresa ao Últimas Notícias

Imprimir
Comentários