Assim como na última semana, os jogadores do Atlético não fizeram uma boa partida pela Copa Libertadores. Desta vez, contra o Nacional, a equipe mineira perdeu por 1 a 0, na noite dessa terça-feira (12), no Estádio El Palácio, no Uruguai.

Com o resultado, o Galo está na última colocação do Grupo E, sem somar pontos. Nacional e Cerro são os líderes do torneio.

O próximo confronto do Atlético pela maior competição sul-americana será no dia 3 de abril (quinta-feira).

Primeiro tempo

O Atlético entrou em campo pressionado pelo primeiro resultado, na última semana, no Mineirão, na derrota por 1 a 0 para o Cerro Porteño. Diante disso, a equipe mostrou, logo nos primeiros minutos, uma intensidade muito grande.

E essa boa posse de bola do Galo vinculada à força e velocidade dava a equipe mineira a oportunidades de abrir espaços e criar boas jogadas. Por outro lado, o Nacional, mesmo não jogando fechado, não dava brechas para a equipe alvinegra entrar.

No desenho tático atleticano, o volante Elias atuou como terceiro homem de meio campo – não foi um volante, nem um meia. Situação parecida de Luan: não foi um meia, nem um atacante de ponta. O Atlético então conseguia sair e se recompor com velocidade. Mas Luan e Elias cumpriam funções parecidas em campo – evidentemente em lados opostos –, mas não davam profundidade ao time. Portanto, o jogo afunilava e no local onde o Nacional estava recheado de jogadores o Galo tentava atacar. O problema não é recente, mas Levir o mantém.

O Atlético teve problemas graves na transição de jogadas. Os volantes estavam bem em campo e a equipe tinha comportamento agressivo, mas não convertia isso em chances.

Aos 26, isso citado no parágrafo anterior, ganhou vida: José Welison carregou o Galo em contra-ataque. Muita velocidade. Entre a área e a linha de meio campo, o volante levantou a cabeça e se sentiu só: só Ricardo Oliveira e Cazares, ambos facilmente marcados, estava acompanhando.

Aos 34, ainda gozando de liberdade, José Welison recebeu a bola, na entrada da área, e chutou. A bola parou na trave e na sequência a defesa conseguiu tirar.

Segundo tempo

O Nacional voltou com suas linhas adiantadas. A equipe percebeu que o Atlético não conseguia ser agressivo e resolveu atacar.

A partida, no entanto, ficou muito travada no meio campo. O Atlético tentava atacar, mas errava bastante. O Nacional, por sua vez, avançava nas linha de marcação do Galo e ia ganhando espaços.

Aos 26 o Nacional abriu o marcador. Em cruzamento na área, Bergessio apareceu para desviar de cabeça e abrir o marcador.

Após sofrer o tento, Levir fez alterações na equipe. Colocou Chará, dando mais força ao ataque, e depois o lateral-direito Patric deu vaga para a entrada de Guga.

IMPRIMIR

Fonte:

Gazeta Esportiva