O provedor da Santa Casa de Caridade de Formiga, Geraldo Couto esteve, na segunda-feira (12), na Câmara Municipal e falou sobre vários assuntos relacionados ao hospital e a saúde em Formiga.
Os vereadores fizeram questionamentos ao médico. Dentre os assuntos tratados, foi relembrado o caso de uma grávida com dores de parto, moradora do bairro Geraldo Veloso, que após ser ?mandada? de volta para casa, por uma funcionária da Secretaria de Saúde, retornou ao hospital com a ajuda de terceiros para ter o bebê. ?Temos uma dificuldade de atender na Santa Casa como no Pronto Socorro. O paciente tem que passar pelo Pronto Atendimento para fazer sua regulação, para ser internado e, com isso, ser colocado dentro do hospital. Hoje, os leitos não pertencem à Santa Casa e sim a Central de Regulação. A única exceção é com a mulher grávida em trabalho de parto. As grávidas têm acesso livre sim, em qualquer hospital?.
Em relação às consultas e procedimentos laboratoriais, em grávidas, hoje,a Santa Casa só pode fazer o ultrassom. ?Nem a ressonância temos feito em grávidas. O serviço de ultrassom é agendado para a paciente do hospital, já para a paciente ambulatorial, esta usa o serviço de ultrassom do município?.
Geraldo Couto explicou que os serviços contratados e disponíveis aos pacientes internados são cobertos pela Secretaria Estadual e pelo Ministério da Saúde.?Outra dificuldade é que não há profissional habilitado para fazer o ultrassom fora do horário convencional. Isso é um problema geral?.
UTI Neonatal
Sobre a UTI Neonatal, o médico explicou que, na semana passada, foi aprovado pela Secretaria de Estado, o projeto arquitetônico. ?Vai funcionar sim, houve uma mudança de leitos, que passou de 20 para 18, uma decisão da própria Vigilância Sanitária. Agora, no dia 21, essa decisão vai para a aprovação e, em seguida, para o Ministério da Saúde. Após o credenciamento, é que a UTI pode funcionar?, explicou.
O custo de uma UTI é muito alto. Segundo informou o provedor do hospital, a UTI Adulta de Formiga foi inaugurada, em novembro, com 5 leitos. ?Em março do ano passado, foram mais 12 leitos. Somente após um ano, é que o Ministério da Saúde autorizou mais 5. Hoje, temos cerca de R$1.300 milhão para receber da Secretaria de Estado, por diárias de UTI?.
Repasses da Prefeitura
Em relação aos repasses da Secretaria de Saúde para a Santa Casa, Geraldo Couto relatou que até o dia 30 de abril,a Prefeitura devia R$432 mil, destes, pagou duas parcelas de R$108 mil. ?Da gestão anterior, temos R$435 mil de empenhos, que não foram quitados. A gestão atual não assumiu esse pagamento, que foi cancelado. Estamos buscando receber, junto ao Ministério Público?.
Referência em ortopedia
O município de Formiga se tornou referência em ortopedia. Na região macro-oeste, existe uma fila de 250 pacientes esperando por uma cirurgia de urgência. ?Estamos fazendo uma média de 90 cirurgias/mês, em Formiga, para a região. Temos cerca de 8 pacientes por dia necessitando de uma cirurgia ortopédica. A maioria são pacientes que se envolveram em acidentes com motos. Uma dificuldade é ter médicos qualificados?.
Nova estrutura
A Santa Casa está montando uma nova estrutura. Ela entregou, no mês de março, mais três salas para cirurgias, duas de procedimentos externos e uma de hemodinâmica, uma referência em Formiga. ?Temos 123 leitos e não temos vagas para internar os pacientes. O ideal é aumentar em mais 50 leitos?.
O provedor contou ainda que a Santa Casa está buscando uma solução:?Falta é leito resolutivo. Estamos colocando hospitais satélites em cidades que possam fazer esse atendimento?. O que precisamos é remover o paciente da clínica, tirar ele da Santa Casa e leva-lo para um hospital satélite?.
Centro Cardiológico
O provedor falou ainda sobre o Centro de Imagem Cardiológico, que seria inaugurado no mês passado. ?Só ainda não conseguimos fazer, pois a demanda de energia em apenas dois equipamentos é maior do que se consome hoje em todo o hospital?, disse.
Saúde do homem
Fala-se muito em saúde da mulher e da criança, já em relação a saúde do homem, o médico ressaltou que a Santa Casa pode fazer alguma coisa para o paciente que está internado. ?A grande inovação é que estamos fazendo a embolização das artérias prostáticas, a diminuição da próstata sem cirurgia. Isso vai melhorar a qualidade da assistência?.
Sobre a UPA
As obras da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), em Formiga, já se estendem por 30 meses. Geraldo Couto disse que a grande dificuldade hoje é fazer saúde pública. ?A atenção básica é a coisa mais importante pra se fazer. Em todos os programas, o que precisa é ter vontade política para realizá-los.A UPA tem muitos desafios e você não tem uma assistência básica que funcione, não tem uma estrutura. Tem dia que tem 30 pacientes internados aguardando uma vaga?.
Verbas para a Santa Casa
Por último, o provedor falou sobre as verbas que são destinadas para a entidade. ?Já tivemos vários recursos, várias emendas estaduais, cerca de R$3 milhões, já verbas federais nunca as recebemos?, concluiu.
Visita de cortesia
Na reunião, estiveram presentes o provedor da Santa Casa de São Sebastião do Paraíso, Flávio Hesti e a consultora de saúde da região, Maria Helena Campos Andrade (foto).

print
Comentários